Other Manual Translations: English Español

Você está resistindo ou se vingando?

Há muita discussão sobre resistência e protesto no momento, com jogadores da NFL se ajoelhando respeitosamente durante o hino nacional, como uma maneira de ressaltar a injustiça que os negros e pardos enfrentam nas mãos da polícia.

O processo de reconciliação de seis etapas:

Anteriormente, compartilhei um processo de seis fases para a reconciliação racial. A primeira fase é a resistência. Na minha opinião, ajoelhar-se durante o hino é um ato de resistência que diz: “estamos sofrendo e queremos que você participe de nossa cura”. Esse é o mesmo objetivo do movimento Vidas Negras Importam (Black Lives Matter). Ambos os grupos resistem para que as pessoas se conscientizem da injustiça do racismo sistêmico e isso está funcionando; muitos chegaram ao reconhecimento. No entanto, outros estão ficando zangados e usando mais injustiça para silenciar a resistência. Ambos os grupos foram violentamente atacados por seus métodos de resistência e muitos dos que os atacam se consideram cristãos. É frustrante como as pessoas não podem dizer nada sobre a injustiça racial e recusam-se a se declarar contra o racismo, mas ficam encorajadas quando os oprimidos o fazem.

Resistir à injustiça racial diariamente é suficiente para deixá-lo louco! Trabalhar em prol da reconciliação racial é um trabalho mental e emocionalmente desgastante. Se você estiver nessa jornada, eu recomendo que você mantenha um bom terapeuta. Não é porque você é louco, mas porque o mundo é. Se não tomarmos cuidado, podemos facilmente adotar os métodos daqueles a quem resistimos. Você precisa de um terapeuta com algum nível de competência intercultural e que o incentive a refletir criticamente sobre seus próprios pensamentos e ações. Há momentos em que é difícil ser autocrítico, e a perspectiva de uma voz objetiva é necessária. Um terapeuta pode servir como essa voz.

Um dia, eu estava no consultório do meu terapeuta discutindo meus esforços para resistir à injustiça e à opressão raciais. Expressei como muitas vezes fico com raiva e quero gritar ou reagir de maneiras que sei que não são certas, mas me sinto justificado em fazê-lo. Uma de nossas grandes piadas na discussão girou em torno de uma xícara de café. Certa vez, descrevi meu desejo de pegar a xícara de café de alguém que havia me prejudicado e fazer buracos nela para que o café vazasse lentamente e derramasse sobre eles, e eu queria me posicionar para testemunhá-lo à distância. Mais do que isso, eu queria que eles soubessem que fui eu que fiz! (Para constar, eu nunca fiz.) Depois de usar essa analogia algumas vezes, meu terapeuta olhou para mim um dia e fez a pergunta de um milhão de dólares: “Existe uma diferença entre 'resistir' e 'vingar’?” Minha boca bateu no chão. Em um instante, percebi que houve momentos em que minhas ações não eram cristãs e se afastavam do caminho que eu queria seguir. Eu tive que começar a avaliar todas as minhas ações para determinar se elas estavam mais alinhadas à resistência ou à vingança. Há uma linha tênue entre as duas.

Eu defino “resistência” como permanecer firme contra os poderes da injustiça e contra qualquer forma de opressão que trabalhe contra o reino de Deus. É uma recusa em aceitar ou participar com injustiça. A resistência incorpora a esperança de conduzir os que recebem aquela ao “reconhecimento”. Os oprimidos e seus aliados usam a resistência para levar à evidência uma injustiça. A resistência deve ser empregada sempre que uma pessoa ou um grupo procura dominar o outro ou diminuir a personalidade do outro.

“Irai-vos e não pequeis; não se ponha o sol sobre a vossa ira,” [Efésios 4:26]

Eu defino “vingança” como qualquer ação que seja uma resposta à mágoa e procure retornar mágoa por mágoa. A vingança pouco se importa com o resultado final, desde que o dano seja causado ao objeto de sua raiva. A resistência visa à comunidade; a vingança visa a um maior isolamento. A resistência visa à paz; a vingança visa à guerra. Resistência é uma recusa em aceitar a injustiça ou em participar dela; a vingança é uma aceitação da injustiça como um caminho, mas leva a mais injustiça. Resistência é um compromisso de igualdade com o opressor; a vingança é um compromisso de dominar o opressor. A resistência está enraizada no amor; a vingança está enraizada no ódio. Em suma, resistência é um compromisso de ficar bravo sem pecar [Efésios 4:26]. A linha entre essas duas ações é fina, mas deve ser claramente entendida antes de agir.

Como visto em movimentos recentes, a resistência traz consequências: aqueles que resistem são frequentemente atacados. Um dos ataques mais perturbadores contra aqueles que resistem à injustiça e à opressão é quando aqueles que se opõem à resistência à injustiça racial tentam equiparar resistência com falta de amor. Toda vez que isso me é apresentado, resisto a aceitar essa conclusão. Minha resposta é simples. Se você acha que meu amor por você exige que eu permita que você continue me oprimindo e que devo ficar calado sobre a injustiça contra mim (ou para falar suavemente), então não sou eu quem tem problemas com o amor. O silêncio diante da injustiça não é uma expressão de amor; nem mesmo para o opressor. Devemos parar de mentir para nós mesmos. Resistência não é falta de amor. Na verdade, o oposto é verdadeiro.

Devemos continuar a resistir se for para a reconciliação começar. Silêncio à injustiça é cumplicidade. Quando olho para esta nação e o racismo presente em todos os sistemas, sou lembrado de que há muito a resistir. O Rev. Dr. William Barber escreve que a resistência é necessária porque “os que estão no poder vão ignorar o que não querem ver, enquanto nós os permitirmos”.[1] Devemos, no entanto, resistir de maneiras que são vazias de vingança e enraizada no amor pelos oprimidos e opressores. O caminho para a reconciliação começa com a resistência. Nós devemos resistir para nos reconciliar.


O Rev. Brian A. Tillman atua como presidente da Comissão de Religião e Raça na Conferência da Geórgia do Norte da UMC e também atua como pastor associado na UMC de Ben Hill, em Atlanta. Ele costuma usar hashtags para: #ResistToReconcile (resistir para reconciliar).

 


[1] Barber II, W.J. (2016). A Terceira Reconstrução: Como um Movimento Moral Está Superando a Política de Divisão e Medo. Boston: Beacon Press, 55.

Postado 19 de outubro de 2017