Other Manual Translations: English Español

Reconstruir para reconciliar

Estive recentemente em uma conferência, e o facilitador nos colocou em grupos para fazer um projeto em que tivemos que usar 20 fios de macarrão não cozidos, um metro de corda, um metro de fita adesiva e um marshmallow para construir a estrutura mais alta que poderia segurar um marshmallow no topo. Cada equipe teve 15 minutos para construir a estrutura e a equipe com a estrutura mais alta ganhava. Minha equipe começou a trabalhar para montar nossa estrutura. Tivemos muitas ideias brilhantes. No final, colocamos nosso marshmallow em cima, e a estrutura desmoronou. De alguma forma, a distribuição do peso do marshmallow não foi compartilhada uniformemente através da estrutura, por isso caiu para o lado. Nossa estrutura precisava ser reconstruída de maneira mais equilibrada. É o caso da raça na América. Os sistemas americanos falharam com pessoas não brancas. O poder é injustamente distribuído, e a reconstrução é necessária.

O processo de reconciliação de seis etapas:

Em artigos anteriores sobre o processo de reconciliação, apresentei quatro das seis fases – resistência, reconhecimento, arrependimento e reparo. A quinta fase é a reconstrução – não há reconciliação verdadeira quando a estrutura não muda. Uma nova estrutura deve ser buscada de forma a desmontar a estrutura de poder racista e opressora e reconstruir uma estrutura de poder enraizada na justiça. O Dr. Martin Luther King Jr. escreveu que, sem um ajuste significativo de poder, apenas “acabamos com soluções que não resolvem, respostas que não respondem e explicações que não explicam”.1 A reconstrução é um processo intencional e é reconhecidamente doloroso para o grupo dominante, porque sua vantagem injusta de poder deve ser corrigida. É a fase que dá mais evidências ao grupo não dominante de que a reconciliação é genuína. Estabelece as bases para a confiança ser construída e o sonho da verdadeira reconciliação racial a ser cumprida.

Dr. King definiu poder como “a habilidade de alcançar um objetivo. É a força necessária para provocar mudanças sociais, políticas e econômicas. Nesse sentido, o poder não é apenas desejável, mas necessário para implementar as demandas de amor e justiça.”2 Reconstrução é especificamente a reconstrução da alocação de poder. King escreveu: “Será o poder impregnado de amor e justiça que transformará ontens sombrios em amanhãs luminosos e nos levará do peso do cansaço do desespero à leveza flutuante da esperança”.3 O poder não é algo negativo; dinheiro é semelhante. É o que você faz com eles que faz a diferença. O poder nas mãos de um agressor é imprudente. O poder nas mãos de um amante compassivo da justiça, retidão, graça e misericórdia é semelhante a Cristo.

Como o poder foi colocado nas mãos de pessoas inclinadas à opressão, ao racismo sistêmico e à supremacia branca, as pessoas não brancas se separaram o máximo possível do sistema opressivo. É importante distinguir entre separação e segregação.4 A segregação é algo exigido dos oprimidos pelo opressor. A separação é escolhida pelos oprimidos para evitar a opressão dos opressores. Se o racismo na América está enraizado no problema da supremacia e do privilégio dos brancos, é compreensível que as os não brancos se separem dos sistemas opressivos que são a igreja branca, instituições brancas, universidades etc. A separação dos oprimidos é sensatez. A segregação dos opressores é racismo. Essa pode ser uma verdade difícil, mas continua sendo a verdade. A estrutura do poder deve mudar para provocar a cura necessária e para mostrar aos não brancos que a separação não é mais necessária para sua sobrevivência. Isso não significa que as instituições previamente configuradas pelos oprimidos para separar sejam fechadas. Em vez disso, essas instituições devem servir como canal para a reconstrução e cura da doença do racismo e dos privilégios brancos que infestam os americanos brancos. Aqueles que são membros da cultura dominante devem ver sua cura nesses lugares onde não estão mais no poder. Os americanos brancos raramente chegam a instituições organizadas por pessoas não brancas; em vez disso, convidam-nas para os confinamentos confortáveis de “vilas da injustiça”, para falar palavras vazias sobre a reconciliação. Eles as convidam para lugares que foram segregados e onde os brancos ainda detêm o poder. “Muitas vezes, os brancos querem se reconciliar nos seus próprios termos. Eles querem que pessoas não brancas os procurem em lugares onde ele se sintam confortáveis e no controle”.5 Os que têm privilégio devem ir para os lugares onde não terão privilégios. Eles precisam ir às igrejas onde a evidência de sua participação com a injustiça está em destaque. Sem a inversão de poder, nenhuma reconciliação pode ser explorada.

Perhaps it would be helpful to remember why Mary, the mother of Jesus, magnified God with the coming of Christ. Mary says, "He has shown strength with his arm; he has scattered the proud in the thoughts of their hearts. He has brought down the powerful from their thrones, and lifted up the lowly; he has filled the hungry with good things, and sent the rich away empty." It is the reallocation of power that was a major focus of her praise. It was not that there would be improvement. It was a total reconstruction of the plight of many on the margins, who were poor, who were oppressed, and who were without advocacy. It was because God sent Jesus to preach the good news to the poor, release to the captives, recovery of sight to the blind, and that the oppressed would go free.

Talvez seja útil lembrar por que Maria, a mãe de Jesus, engrandeceu a Deus com a vinda de Cristo. Maria diz: “Agiu com o seu braço valorosamente; dispersou os que, no coração, alimentavam pensamentos soberbos. Derribou do seu trono os poderosos e exaltou os humildes. Encheu de bens os famintos e despediu vazios os ricos.”6 É a realocação do poder que foi o principal foco de seus elogios. Não era que houvesse melhorias. Foi uma reconstrução total da situação de muitos marginalizados, que eram pobres, oprimidos e que não tinham advocacia. Foi porque Deus enviou Jesus para pregar as boas novas aos pobres, livrar os cativos, recuperar a visão aos cegos e libertar os oprimidos.7

Considere uma mulher que entra no escritório de uma organização, e o homem sentado à cabeceira da mesa se levanta, caminha até ela e lhe dá um tapa no rosto 99 dias seguidos. Nesse 99º dia, ele pede desculpas e promete nunca mais fazê-lo. Ele até escreve em um pedaço de papel e assina. No dia 100, a mesma mulher entra no mesmo escritório, vê a mesma mesa de cabeceira no mesmo local, vê o mesmo homem sentado à cabeceira da mesa e, em seguida, o mesmo homem se levanta e caminha em sua direção exatamente como ele fez os 99 dias anteriores. Essa mulher deve confiar que seu rosto não será atingido novamente? Sem uma mudança estrutural e uma mudança de poder, essa mulher não pode confiar na organização ou naqueles que nela trabalham.

Sem uma mudança estrutural, a reconciliação não pode ser confiável. A reconstrução não é uma fase opcional de reconciliação. Não há reconciliação sem reconstruir a distribuição de poder. Não devemos nos contentar com melhorias. Não podemos acabar com nossa resistência até que a justiça prevaleça e até que os assentos à frente das mesas de poder tenham mudado e estejam equitativamente preenchidos com membros dos grupos oprimidos. Resista para reconstruir. Resista para reconciliar.


O Rev. Brian A. Tillman atua como presidente da Comissão de Religião e Raça na Conferência da Geórgia do Norte da UMC e também atua como pastor associado na UMC de Ben Hill, em Atlanta. Ele costuma usar hashtags para: #ResistToReconcile (resista para reconciliar).


[1] Martin Luther King, J. (1968). Para onde vamos daqui?. Boston: Beacon Press, 61.

[2] King, 37

[3] King, 69.

[4] Harvey, J. (2014). Queridos cristãos brancos: para aqueles que ainda desejam a reconciliação racial. Grand Rapids, MI: William B. Eerdmans Publishing Company, 36.

[5] Boesak, A. A., & DeYoung, C. P. (2012). Reconciliação radical: além do pietismo político e do quietismo cristão. MaryKnoll, NY: Orbis Books, 88.

[6] Lucas 1:46-55.

[7] Lucas 4:18.

[Postado em 9 de janeiro de 2018]