Other Manual Translations: English Español

Reconhecendo o privilégio branco

Nunca esquecerei de ver Matrix (1999). Ainda é um dos meus cinco melhores filmes de todos os tempos. O personagem principal, Neo, encontra seu guia para a jornada, Morpheus. Neo é branco. Morpheus é negro. Morpheus é o líder para aqueles que escaparam da Matrix e que vivem na realidade. Neo mora na Matrix, mas é levado para ver Morpheus. Morpheus, então, oferece a Neo uma escolha:

O processo de reconciliação de seis etapas:

“Você está aqui porque sabe alguma coisa. O que sabe você não pode explicar, mas o sente. Você sentiu isso a vida toda. Que há algo errado com o mundo. Você não sabe o que é, mas está lá como uma farpa em sua mente deixando você louco. É esse sentimento que trouxe você para mim. Você sabe do que estou falando? [...] A Matrix está em todo lugar. Está ao nosso redor agora mesmo nesta mesma sala. Você pode vê-la quando olha pela janela ou quando liga a televisão. Você pode senti-la quando vai ao trabalho. Quando vai à igreja. Quando paga seus impostos. É o mundo que foi colocado diante dos seus olhos para cegá-lo da verdade... Você é um escravo, Neo. Como todo mundo, você nasceu num cativeiro. Nasceu em uma prisão que você não pode cheirar, provar ou tocar; uma prisão para sua mente.”

Então Morpheus pede a Neo que escolha uma das duas pílulas. A pílula azul permite que Neo fique na Matrix. A pílula vermelha expõe a Matrix e abre os olhos de Neo.

A América Branca tem duas opções semelhantes hoje. Pode continuar vivendo em uma matrix de privilégios em um mundo codificado para eles. Essa matrix os mantém escravizados à falsidade da supremacia branca, ou podem vir a reconhecer a verdade. A verdade é que existe racismo sistêmico em todos os sistemas da sociedade americana, e que os brancos se beneficiam injustamente desse sistema.

No meu primeiro artigo, apresentei o quadro para um processo de seis etapas para a reconciliação racial. Então, eu escrevi sobre a primeira fase, resistência. A segunda fase é o reconhecimento – de que aqueles que participaram da perpetuação da injustiça devem reconhecer a injustiça e a própria cumplicidade. O reconhecimento é essencial em qualquer esforço para a reconciliação racial, porque você não pode reconciliar o que não reconhece.[1] Você não pode concertar algo que não sabe que está danificado. Você não pode resolver um problema que se recusa a reconhecer. Para que haja reconciliação racial, é necessário um investimento sério no reconhecimento das profundezas do racismo.

Uma das minhas maiores frustrações é quando as pessoas querem se reconciliar sem reconhecer por que é necessário fazê-lo. É como alguém se desculpando sem saber o que fez. Se não souberem o que fizeram, não poderão parar de cometer a infração. Suas palavras são vazias, sem reconhecimento.

Outra frustração é quando as pessoas que não querem reconhecer os problemas se escondem atrás de afirmações como “não me traga problemas, traga-me soluções” como forma de evitar aceitar e lidar com tarefas difíceis. Não podemos reconciliar o racismo sem lidar com o passado e o presente.

Então, que verdades os cristãos americanos brancos precisam reconhecer, se desejam se reconciliar com pessoas que não são brancas? Vamos começar com estes:

  • Reconhecer o privilégio em que estão envolvidos. É literalmente como a cor da sua pele é tratada e respeitada às custas de outras pessoas.

  • Reconhecer que eles se beneficiaram de vários sistemas que prejudicam grandes porções da população ao longo de linhas raciais.

  • Reconhecer que o racismo existe em quase todos os sistemas e instituições da nossa sociedade.

  • Reconhecer que a experiência branca não é normativa.

  • Reconhecer que não somos todos iguais.

  • Reconhecer que não ver cor não é um objetivo a ser alcançado: não ver cor significa que você não pode ver minha linda negritude.

  • Reconhecer que se você não pode ver minha negritude (ou cor), você não pode me ver.

  • Reconhecer que sou feliz e tenho orgulho de ser negro; Não gosto de como o negro é tratado.

  • Reconhecer que a verdade feia ainda é a verdade, e que a mentira bonita ainda é uma mentira.

  • Reconhecer que você foi ensinado e doutrinado com a supremacia branca desde o dia em que você nasceu e está literalmente matando pessoas não brancas.

  • Reconhecer que você é tão bom quanto qualquer outro e melhor que ninguém.[2]
  • Reconhecer que não é possível ficar em cima do muro, e que não pode haver transigência com intolerância ou injustiça.

  • Reconhecer que você não pode afirmar que não é racista e depois apoiar tudo o que o racista apoia e acreditar em tudo que o racista acredita.

  • Reconhecer que a justiça é um componente importante do evangelho; sem justiça, não há boas novas para os pobres ou oprimidos.[3]
  • Reconhecer que o cristianismo não está sob ataque. Está no modo de autodestruição, negando a verdade e sendo impotente no trabalho de reconciliação racial.

Quando reconhecemos o racismo sistêmico e o privilégio dos brancos, estamos prontos para o importante trabalho de reconciliação, que exige que vivamos na verdade. Sem reconhecimento, o arrependimento é nulo de autenticidade; nenhum arrependimento pode vir sem reconhecimento. Nenhuma solução deve ser buscada sem o reconhecimento da gravidade do problema.

A verdade arruína muitos dos nossos planos. Muitas vezes precisamos escolher entre aceitar a verdade feia ou a mentira deslumbrante. A atmosfera racial na América está nos oferecendo dois comprimidos. Um é branco e cheio de mentiras que querem nos convencer de que podemos não ver cor. A outra é uma pílula multicolorida e que nos leva a uma jornada em direção à verdade e ao reconhecimento de que o que vivemos não é realidade. Esta pílula leva a uma vida vivida na verdade. A jornada não foi talhada para nós, mas é nossa única esperança de reconciliação racial.

Qual você escolhe: ser escravo do privilégio dos brancos ou ser livre e capaz de reconhecer a Matrix do privilégio dos brancos?

[…] “e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.”[4]


O Rev. Brian A. Tillman atua como presidente da Comissão de Religião e Raça na Conferência da Geórgia do Norte da UMC e também atua como pastor associado na UMC de Ben Hill, em Atlanta. Ele costuma usar hashtags para: #ResistToReconcile (resistir para reconciliar).


[1] Extraído de conversas com Robyn Afrik.

[2] Da conversa com o Rev. Dr. Dee Shelnutt, Jr.

[3] Lucas 4:18.

[4] João 8:32.

Postado 14 de novembro de 2017