Other Manual Translations: English français 한국어 español

Repensando o que queremos dizer quando falamos de evangelismo

Como compartilhamos as boas notícias?
Como compartilhamos as boas notícias?

O que você acha do evangelismo? O evangelismo é entendido como o meio através do qual levamos alguém para uma crença em Jesus Cristo e no cristianismo. A própria palavra pode provocar uma resistência entre muitos de nós — por razões variadas. Tem para mim, que eu vou compartilhar aqui.

O que é evangelismo?

Evangelismo é o ato de compartilhar os ensinamentos de Jesus, muitas vezes com a intenção de converter um crente.

Um dos muitos cursos necessários para ordenação dentro da denominação Metodista Unida é um curso sobre evangelismo. Eu adiei esta aula durante todo o seminário. Outros cursos como Terapia Narrativa ou Teologia Negra me acenaram e foram muito mais sedutores do que um curso sobre evangelismo. Uma parte de mim, como uma cristã progressista que honra as diferentes jornadas de fé que as pessoas fazem ao lado da cristã, também estava ressentida por termos que desperdiçar uma de nossas preciosas e limitadas vagas em um assunto que era tão... ao contrário. Semestre após semestre, ano após ano, eu adiei esta aula até me formar. Foi só anos depois da formatura, quando me inscrevi para ordenação, que finalmente desisti e aceitei.

A classe, surpreendentemente, acabou sendo esclarecedora. Não porque eu concordasse com tudo nela, mas pelo contrário: me fez esclarecer meu próprio pensamento sobre o assunto. Se o evangelismo era um curso necessário para a ordenação Metodista Unida, era claramente uma prioridade para esta denominação que eu estava ostensivamente jurando fidelidade. Como tal, fora da minha própria integridade como futura ministra Metodista Unida, eu imaginei que tinha que desenvolver uma teologia do evangelismo que eu subscrevia genuinamente, ou eu teria que considerar escolher outra denominação.

Pode ser útil começar com o que eu não gosto sobre a compreensão tradicional do evangelismo. Então, eu vou passar para o que eu realmente gosto sobre evangelismo e como eu mesma o pratico. Primeiro, começarei com uma história.

Descobrindo o evangelismo

Na faculdade, eu fazia parte de um grupo cristão que priorizava fortemente o evangelismo. Todos nós que fazíamos parte do grupo de confraternização fomos até treinados sobre como encaminhar descrentes durante o processo de conversão. Na época, eu não tinha dúvidas sobre essa prioridade ou prática, em parte porque era motivada por tamanha seriedade e boas intenções. Eu acreditava sinceramente nas boas notícias da salvação através de Jesus Cristo e se eu realmente amava meus amigos, então eu era obrigada a compartilhá-la com eles! Não fazê-lo parecia privá-los de um segredo que poderia alterar seu destino; enviando-os para o céu ou para o inferno.

No meu segundo ano de faculdade, tive uma aula de psicologia e me tornei muito amiga de dois alunos da turma. Eles eram espertos e engraçados. Adorava passar tempo com eles. O problema era que eles não eram cristãos. Eu reformulei este problema para ser um desafio bem-vindo. Sempre que possível, eu direcionaria nossas conversas para religião e espiritualidade e tentaria fazer com que me fizessem perguntas como: "Lydia, como é que você parece tão em paz com a vida? Qual é o seu segredo? Eles nunca me fizeram tais perguntas, mas isso nunca me impediu de responder às perguntas que eu desejava que fizessem.

Nossa amizade acabou se dissolvendo e olhando para trás, a razão é flagrantemente óbvia: quem quer fazer amizade com alguém que está sempre tentando mudá-los? Amizades saudáveis, e de fato, qualquer bom relacionamento, não podem ser construídas sobre o desejo de mudar a outra pessoa. Quando reflito sobre mim na faculdade, fico exasperada com os meus esforços. Eu só quero dizer, "Menina, acalme-se. Aproveite a outra pessoa e conheça-a de verdade em vez de vê-las como um meio para um fim. Sua vigilância constante para oportunidades de evangelismo está te cansando. Tome uma cerveja. Na verdade, vá tomar uma cerveja com esses dois amigos."

Uma maneira diferente de pensar sobre o evangelismo

Muita coisa mudou desde a faculdade. Eu finalmente descobri o cristianismo progressista, uma linha do cristianismo que eu não sabia que existia durante a maior parte da minha educação religiosa, e lentamente costurou uma nova compreensão de Deus. Esse novo entendimento me ensinou a ver potenciais convertidos como indivíduos com suas próprias histórias de vida ricas. Eles não precisam assinar o meu para serem mais valiosos ou salvos.

O que dizer então de compartilhar as "boas novas"? Se eu realmente acredito no poder salvador de Jesus Cristo, então por que eu não compartilharia com os outros? Eu acredito no poder salvador  de Jesus Cristo e eu testemunhei isso em minha própria vida, uma ou outra vez.


Eu testemunhei quando eu estava lutando contra a ansiedade severa depois da faculdade porque eu não era capaz de encontrar um emprego. Essa ansiedade levou à insônia e durante uma das minhas muitas noites sem dormir, decidi orar em vez de me preocupar. Durante esse tempo de oração, senti o caloroso abraço de uma mãe me segurando e me acalmando como um bebê.

Testemunhei quando encontrei as histórias evangélicas e chorei porque fiquei tão surpresa com o profundo amor de Jesus pelos membros mais condenados da sociedade e, consequentemente, pelas partes menos amáveis de mim.

Testemunhei mais poderosamente durante uma semana de retiro em silêncio quando eu tinha uns vinte e poucos anos. No início da semana, o líder do retiro nos pediu para considerar que nome queríamos dar a Jesus. Assim como Hagar deu a Deus um novo nome no livro de Gênesis, fomos convidados a dar a Jesus um novo nome que refletisse com precisão nossa relação única com ele. Pensei nessa pergunta por dias. Eventualmente, eu escolhi amigo. Jesus era um com quem me sentia confortável compartilhando meus segredos mais profundos, sem medo de julgamento. Jesus foi aquele que me acompanhou na minha jornada de vida sem me apressar ou me puxar por trás. No último dia do retiro, sentei em uma igreja e deixei os hinos descer sobre mim, como uma chuva. Enquanto me sentava, ouvi mais claramente do que uma voz em um megafone, mas mais quieto do que um sussurro: "Como sou seu amigo, seja amigo dos outros."

As palavras de Jesus me convocaram a um novo tipo de evangelismo em cada relacionamento que tenho: caminhar ao lado dos outros, ouvir suas histórias, sofrer com eles quando estão sofrendo, nunca empurrá-los para uma direção ou outra, ouvir de todo o coração o que os está fazendo ganhar vida. E o mais importante, deixá-los oferecer o mesmo por mim.

Writer and pastor Lydia SohnA Reverenda Lydia Sohn é uma Reverenda na Igreja Metodista Unida dentro da Conferência do Pacífico da Califórnia. Ela deixou sua nomeação em tempo integral na igreja no início da pandemia do COVID-19 para blogar, escrever um livro, e ser uma mãe que fica em casa com seus dois filhos pequenos. Acompanhe-a em www.revlydia.com.