Other Manual Translations: English français español

Cinco dicas para abordar o racismo com crianças

O Reverendo Will Willimon expõe corajosamente que raça é ficção, mas racismo é fato. As recentes ações dos brancos supremacistas em Charlottesville, Virgínia, atestam a realidade do racismo. A humanidade é diversificada em aparência e ação do lado de fora. Embora reconheçamos (e até celebramos) a diversidade, também esperamos o dia em que reconheceremos unanimemente o Espírito Divino e o valor humano que existe dentro de cada um de nós. Para trazer esse dia, precisamos falar e enfrentar a realidade do racismo. Não é tarde demais para nós... nem é muito cedo para falar sobre isso com nossos filhos.

Embora o racismo não seja um tema que provavelmente estamos ansiosos para abordar com as crianças, é um tema necessário - pois eles aprenderão sobre isso através dos outros ou através de uma experiência difícil. Use essas dicas úteis para abordar o racismo com os jovens.

Teaching children about racism.

Esteja pronto

Embora não seja necessário ter um roteiro completo sobre como entregar "a palestra", é uma boa ideia esclarecer seus próprios pensamentos sobre a diversidade humana e o racismo e se preparar para o que você quer expressar para as crianças.

Minha família tentou comunicar algumas crenças fundamentais ao nosso filho: os humanos são diversos. A diversidade é linda. Cada um de nós é um filho de Deus - igualmente amado e valorizado à vista de Deus. Nosso trabalho é mostrar o amor de Deus mostrando aos outros o quão amados e valiosos eles são. Há pessoas que não entendem como Deus ama a todos.

Deixe-os falar

Muitas vezes, as crianças expressam fortes pensamentos de justiça. Deixe-os assumir a liderança em questões relativas ao racismo: "É certo ou justo tratar alguém mal porque eles parecem diferentes? O que você deve fazer se isso acontecer com você? O que você deve fazer se você testemunhar alguém fazendo isso?

Não tenha medo da conversa. Dê oportunidade para as crianças fazerem perguntas. Deixar de falar sobre racismo o perpetua implicitamente. Então deixe-os dar voz às suas perguntas sobre o assunto: "Por que as pessoas são más assim? Por que eles pensam assim?

Relacione com sua experiência

Ao responder perguntas, procure relacionar respostas ao seu mundo. Respostas e perspectivas são diferentes dependendo das circunstâncias familiares. Crianças de cor precisarão de afirmação — elas precisam de garantia de valor e dignidade. Forneça lembretes de que eles merecem respeito. Crianças brancas precisarão de lembretes que não devem fazer suposições sobre os outros.

Apontar para filmes que vocês assistem juntos ou livros que eles leram pode ser útil. Há muitas histórias onde um personagem aparece e outros fazem suposições sobre as habilidades ou valor do personagem. Mas sabemos que há mais na história. Sabemos do que o personagem é realmente capaz. Na vida real, as pessoas podem fazer suposições, também. Mas sabemos que eles estão errados. Sabemos que temos habilidades e valor, mesmo que eles não tenham.

Mostre às crianças que elas podem ajudar

Pedir às crianças que compartilhem suas experiências sem proibição proporciona uma sensação de empoderamento. Encoraje-os a não ignorar situações injustas ou indignas. O que elas podem dizer nessas situações? Há outros que podem ajudar?

As crianças mais novas serão beneficiadas em procurar coisas que têm em comum com outras crianças, especialmente aquelas que parecem diferentes delas. Quanto mais semelhanças as crianças virem com os outros, mais confortáveis elas estarão ao redor umas das outras. Procure por pontos de comunhão: mesmo que Carly tenha a pele mais escura, ela realmente parece gostar de jogar pega-pega, também.

Crianças mais velhas começam a ver o valor da diversidade. Encoraje-os a apontar as diferenças que apreciam nos outros. Um estudo da Universidade Northwestern mostrou que quando as crianças mais velhas eram encorajadas a procurar e celebrar a diversidade, elas eram mais capazes de detectar e reagir a comportamentos racistas do que crianças que tinham sido ensinadas uma mensagem de "cegueira colorida".

Seja um modelo

Tudo isso traz uma implicação séria: cabe a nós modelar os comportamentos que esperamos ver em nossos filhos. Parte disso significa trabalhar nossas frustrações através de uma resolução para incentivar a resiliência em nossos filhos. Como você pode desabafar construtivamente a sua raiva ou frustração? O que são soluções proativas que levam à mudança?

Participe da conversa, tanto com seus filhos quanto com a sociedade. Reconhecer a realidade do racismo e discutir formas de mudança avançará a causa. Que passo você pode tomar hoje? (Confira nossa página de recursos do Fim do  Racismo para algumas ideias.)

Essas dicas ajudarão a iniciar conversas. Para mais formas de engajar as crianças em conversas sobre diversidade e raça, confira alguns desses recursos:


Rev. Ryan Dunn é Ministro do Engajamento Online, na Rethink Church. Ele trabalha na United Metodista Communications em Nashville, Tennessee.