Other Manual Translations: English Français 한국어 Español

Conhecido e amado: Encontrando sua comunidade

A Revda. Judy Flynn (à direita) recebe Carmon Yeager no culto de Domingo de Páscoa na Igreja Metodista Unida Bethel em Junior, W.Va. Foto de arquivo por Mike DuBose, UMNS.
A Revda. Judy Flynn (à direita) recebe Carmon Yeager no culto de Domingo de Páscoa na Igreja Metodista Unida Bethel em Junior, W.Va. Foto de arquivo por Mike DuBose, UMNS.

Você pode estar pensando muito sobre comunidade, solidão e pertencer. Eu sei que eu estou. Neste momento, muitos de nós estamos sobrevivendo fazendo o que podemos através do contato virtual e contato social limitado e distanciado. Mas não é o mesmo que interação cara-a-cara prolongada e íntima.

Antes da pandemia global COVID-19, no entanto, já se falava muito sobre a epidemia da solidão.

Recursos de Saúde e Administração de Serviços (HRSA), uma agência do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA, cita pesquisas  indicando que: "A solidão e o isolamento social podem ser tão prejudiciais à saúde quanto fumar 15 cigarros por dia... e o problema é particularmente agudo entre os idosos, especialmente durante os feriados."

O HRSA prossegue observando: "Como força na formação da nossa saúde, o atendimento médico empalidece em comparação com as circunstâncias das comunidades em que vivemos. Poucos aspectos da comunidade são mais poderosos do que o grau de conectividade e apoio social para os indivíduos."

A importância da conexão

Em 2013, um movimento forçado nos fez perder nossa conexão. Grandes mudanças ocorreram na universidade cristã onde meu marido e eu trabalhávamos, e nós dois fomos dispensados. Foi uma provação angustiante e traumática, que foi agravada pela incerteza econômica de olhar para o desemprego.

Felizmente, meu marido encontrou um emprego imediatamente. Eu eventualmente achei um também. No entanto, nada poderia substituir a perda de nossa comunidade e amizades próximas.

Eu tinha amigos queridos que cuidavam e amavam nossas filhas ou nos convidavam para jantar a qualquer momento e vice-versa. Na alegria, tristeza, celebração ou crise — tínhamos amigos — tínhamos uma comunidade para cuidar de nós.

Uma nova conexão

Pouco depois de nossa mudança forçada, um pastor Metodista Unido, o Reverendo Larry Kreps, e sua esposa, Marti Kreps, começaram uma conversa com meu marido enquanto meu marido cortava a grama. Eles estavam passeando pela nossa casa em sua caminhada diária pelo bairro.

Eventualmente, eles nos convidaram para sua casa, para a igreja, e cuidaram dos nossos filhos. Eles nos amaram depois da nossa experiência traumática e dolorosa. A pastora assistente da igreja, Debbie Kaylor, fez o mesmo.

Pouco tempo depois, Larry e Marti começaram um pequeno grupo e nos convidaram para fazer parte dele. Em nossa nova cidade, eles sabiam nossos nomes, sabiam que nós existíamos, e realmente se importavam se vivíamos ou morremos.

Nunca esquecerei o cuidado que nos mostraram simplesmente parando para conversar conosco, nos convidando para sua casa, e eventualmente em um pequeno grupo. Eles representavam o amor cristão e a hospitalidade.

Isso é raro hoje em dia.

Nós nos mudamos daquela cidade e estamos tendo que reconstruir nossas amizades e comunidade. É extremamente difícil, embora frequentamos uma Igreja Metodista Unida maravilhosa. E agora, a pandemia COVID-19 limitou nossa capacidade de nos reunirmos.

Conhecido e amado

De minha parte, quero ser conhecida, amada e cuidada por outros. Eu quero estender a hospitalidade que Larry e sua esposa Marti estenderam para mim, o cuidado e amizade que Debbie compartilhou.

Uma maneira de fazer isso é através de pequenos grupos, mas também precisamos encontrar outras maneiras criativas de envolver os outros em nossas vidas, na vida da igreja e dentro do nosso mundo. Cultivar e sustentar a amizade e uma comunidade cristã saudável é contracultural no mundo.

Assim mesmo, este é o caminho de Jesus. João 1:14, diz que a Palavra, Jesus, veio em carne e osso e habitou entre nós. Jesus envolveu outros em sua vida e em sua comunidade. Cabe a nós fazer o mesmo. É preciso trabalhar e nem sempre é conveniente. Mas é uma questão de vida ou morte e vale a pena.

A comunidade que eu e meu marido tivemos nunca será substituída. Isso não significa que não possamos contribuir para formar novas comunidades onde nós e outros somos conhecidos e amados. Nenhum de nós pode sobreviver por muito tempo sem amizade, conexão e apoio social.

Minha oração é que você faça o esforço intencional e concreto para estender amizade e comunidade aos outros. Que você seja conhecido e amado.

*Marlena Graves é a autora de "The Way Up Is Down: Becoming Yourself by Forget Yourself". Ouça Marlena em um episódio do nosso podcast,  Get Your Spirit in Shape.

Esta história foi publicada no dia 26 de outubro de 2020.