Other Manual Translations: English français 한국어 español

A fé requer sofrimento?

A nossa fé é baseada no sofrimento?
A nossa fé é baseada no sofrimento?

Parece que pessoas religiosas procuram o sofrimento?

Quando eu era mais jovem, eu não queria nada mais do que sofrer. Eu queria sofrer como algumas pessoas querem dinheiro. Eu queria adquiri-lo, tê-lo, vir até mim, criá-lo, guardá-lo em excesso.

Isso pode parecer confuso para as pessoas que não cresceram na tradição Cristã particular que eu cresci, onde o sofrimento é e foi glamourizado e romantizado. Eu tenho que admitir porém que há definitivamente evidências de outros expressando esse desejo em toda a Bíblia. Levíticos e Deuteronômio são em grande parte dedicados à importância de sacrifícios e arrependimento. O objetivo desses livros é fornecer instruções para  exortações, que remenda a relação das pessoas com Deus. Nos Evangelhos, Jesus diz aos seus discípulos que se eles realmente querem segui-lo, eles devem pegar sua cruz e negar a si mesmos. Esses ensinamentos ascéticos foram amplificados nos ensinamentos pelo apóstolo Paulo e pela comunidade Cristã primitiva, que renunciaram às necessidades de seus corpos a serviço de sua missão divina. A morte de Jesus em si foi eventualmente entendida como o sacrifício final que resgata a humanidade.

Quando eu tinha 17 anos e pensando em como passar meu verão, eu pensaria na atividade de caridade menos agradável e mais extenuante, acreditando que isso me daria uma melhor revisão de desempenho no céu. Conseguir um emprego em uma sorveteria ou como salva-vidas? Não. Fazer uma aula de redações criativas na faculdade local? Absolutamente não. Viver entre os mais pobres e comer comida enlatada por seis semanas? Bingo.

Ao mesmo tempo, no entanto, uma ideia contrastante é tecida por toda a Bíblia também. O Salmista esclarece ao povo que Deus não requer sacrifícios, mas sim um coração dedicado. Da mesma forma, o autor de Joel nos aconselha a "render o coração e não suas roupas". O próprio Jesus anuncia: "Venha a mim todos os que estão cansados e eu lhes darei descanso", e "O Sábado foi feito para o homem, não o homem para o Sábado."

O evangelho, literalmente significa "boas notícias", é tudo sobre alegria. O anjo Gabriel diz a Maria que ele traz boas notícias de conforto e alegria. Conforto e alegria. Como é reconfortante ouvir essas palavras. Alegria, alegria, alegria — essa palavra está em toda a Bíblia. É o propósito de que estamos todos aqui. Além disso, não é algo pelo qual precisamos nos esforçar ou ganhar. É um dom puro, dado a todos nós, não importa o que fizemos ou não.

É por isso que tenho uma relação complicada com o sofrimento.

À medida que envelheci e (talvez) mais sábia, pude entender essas ideias opostas através de estudo, oração e questionamento incessante. Sempre tive uma curiosidade insaciável sobre a natureza da Divindade, nossa relação com ela e o propósito de nossas vidas (por isso não é surpresa que eu eventualmente me tornei ministra).

A natureza do sofrimento

Aqui é onde eu aterriso neste momento. Eu digo "neste momento" porque aprendi que o conhecimento é ilimitado, e aqueles que querem aprender e crescer nunca vão parar. E essa realização pode ser particularmente útil, pois nos encontramos no meio da Quaresma, uma temporada da vida Cristã conhecida por sua promoção do sofrimento intencional.

Acredito que há dois tipos primários de sofrimento. O primeiro é o sofrimento que é apenas parte e parcela de viver neste mundo como criaturas sensíveis e finitas: contraímos doenças, entramos em acidentes de carro, fazemos escolhas erradas por causa de feridas emocionais ou conhecimento limitado, e muito mais que leva a dor e tristeza indesejadas. O segundo é o sofrimento que podemos procurar e nos vangloriar porque achamos que é agradável a Deus.

Mas voltando ao que o Salmista escreveu, Deus não exige nossos sacrifícios como um ditador carente e impetuoso. Deus nos deu nossas vidas como uma expressão gratuita da criatividade de Deus e nós, sendo feitos à imagem de Deus, somos concedidos com a mesma criatividade para criar vidas de nosso próprio design. Não precisamos buscar esse segundo tipo de sofrimento porque Deus não quer nem exige isso de nós.

O primeiro tipo de sofrimento, no entanto, contém as sementes para o nosso florescimento e, finalmente, alegria. Para que não pensemos que esse tipo de sofrimento é mais fácil de engolir do que o rigoroso tipo orgulhoso que muitas vezes procuramos, lamento dizer... que não poderia estar mais longe da verdade.

O amor não pode existir sem esse primeiro tipo de sofrimento. É tanto o teste final do amor quanto a propriedade alquímica que transforma até mesmo as situações mais sombrias. Caminhando ao lado de um amigo que está passando por uma doença que ameaça a vida, perdoando a pessoa em quem você mais confiava, mantendo-se no controle quando você quer retaliar, praticando paciência com os membros da família — estes são todos exemplos do sofrimento que Jesus nos convida e o que ele quer dizer com as palavras "pegue sua cruz".

Como vamos pegar nossa cruz?

É claro para todos nós que vivemos com nossos próprios problemas, lutas e julgamentos que não são situações que precisamos buscar ou criar — eles já estão ao nosso redor. Muitas vezes resistimos a responder a esses desafios, no entanto, porque eles não têm o brilho do sofrimento glamoroso e auto-escolhido. Como escreveu o ativista cristão Shane Claiborne: "Todo mundo quer uma revolução, mas ninguém quer lavar a louça."

 


Os "pratos", ou seja, nossas respostas fiéis ao sofrimento cotidiano ao nosso redor, no entanto, são o que nos permitem experimentar a plenitude da alegria que Jesus fala quando diz: "Eu lhe disse essas coisas para que minha alegria possa estar em você, e que sua alegria possa estar completa".

 

Ao contrário da felicidade, a alegria não é a consequência superficial das condições ideais de vida. A felicidade é uma emoção passageira. Geralmente se apresenta quando um resultado esperado ocorreu. A alegria é um sentido mais profundo de paz que não se alcança, mas sim se conecta quando se reconhece que sua vida é um presente puro e gratuito de Deus e todos ao seu redor também é uma expressão do amor e criatividade de Deus. E se a alegria é o destino que todos estamos procurando, então nosso sofrimento fiel é o veículo que nos leva até lá.

De volta a Lydia, de 17 anos, que decidiu fazer um estágio de verão em uma comunidade pobre, em vez de ter uma aula de escrita criativa. Eis o que eu diria a ela se eu pudesse: "Faça a aula de redação poxa porque é isso que você realmente quer fazer! Seu desejo de criar não é apenas um presente de Deus, é uma expressão da própria identidade de Deus. E eu acrescentaria, "lembra daquela vez que você disse à sua amiga Susan que ela é menos iluminada porque ela não é Cristã? Não se ver melhor do que os outros é realmente o tipo de sofrimento que Deus pede de você." E então eu diria, "Diga 'sim' ao Jimmy quando ele te pedir para ir ao baile. De alguma forma, é mais divertido ir com pessoas que você não tem paixão."


Writer and pastor Lydia SohnA Revenda Lydia Sohn é um pastora Metodista Unida dentro da Conferência do Pacífico na Califórnia. Ela deixou sua nomeação de tempo integral na igreja no início da pandemia COVID-19 para blogar, escrever um livro, e ser mãe que fica em casa com seus dois filhos pequenos. Acompanhe sua jornada no www.revlydia.com.