Other Manual Translations: English français 한국어 español

Quem são as mulheres negras pioneiras no Metodismo dos EUA? (Parte 1)

Um retrato de Ida B. Wells-Barnett por volta de 1893. Foto de Sallie Garrity, cortesia do Wikimedia Commons; gráfico por Laurens Glass, United Methodist Communications.
Um retrato de Ida B. Wells-Barnett por volta de 1893. Foto de Sallie Garrity, cortesia do Wikimedia Commons; gráfico por Laurens Glass, United Methodist Communications.

Em comemoração aos Mês da História Negra e História das Mulheres, A Questão Metodista lembra dequatro mulheres negras pioneiras e inovadoras da história Metodista dos EUA em uma série de duas partes.

Parte 1 celebra Ida Bell Wells-Barnett e Mary McLeod Bethune.

Parte 2 celebra a Revda. Sallie Crenshaw e o Bispa Leontine T.C. Kelly.


A portrait of Ida B. Wells-Barnett circa 1893, an early leader in the women’s and civil rights movements. Wells was active in the women’s suffrage movement but was asked not to march with white suffragists in 1913. Albumen silver print by American female photographer, Sallie Garrity. Photo from the National Portrait Gallery, courtesy of Wikimedia Commons.
Um retrato de Ida B. Wells-Barnett por volta de 1893. Impressão em prata de albumina pela fotógrafa americana, Sallie Garrity. Foto da National Portrait Gallery, cortesia da Wikimedia Commons.

Learn More 

Ida Bell Wells-Barnett (1862-1931)

 

Ida Bell Wells nasceu no tempo da escravidão em Holly Springs, Mississippi, no meio da Guerra Civil dos EUA. Ela se tornaria uma jornalista pioneira, ativista anti-linchamento, sufragista e ativista de justiça para mulheres e pessoas de cor.

Após a emancipação, seus pais foram ativos na Sociedade de Ajuda dos Homens Livres da Igreja Metodista Episcopal, que estabeleceu o Rust College, a mais antiga das faculdades e universidades historicamente negras. Ida começou sua educação avançada no Rust College, no entanto, a morte de seus pais e um irmão mais novo de um surto de Febre Amarela em 1878 foi o motivo pelo qual a fez deixar a faculdade e aceitar um emprego como professora para sustentar seus irmãos.

Um dos resultados da Reconstrução no Sul foi a integração de todos os equipamentos públicos, incluindo o trânsito. No entanto, nem todas as empresas de trânsito a cumpriram. Em 1884, enquanto estava sentada em um "carro feminino" (para o qual ela havia comprado uma passagem) em um trem com destino a Memphis, ela foi convidada a se mudar para um carro de fumantes para acomodar uma mulher branca. Ela recusou. Quando o condutor começou a arrastá-la do carro, ela o mordeu. Ela foi retirada à força do trem. Ela processou a ferrovia, inicialmente ganhando seu caso, mas perdeu em apelo final na Suprema Corte do Tennessee. A história ganhou manchetes e ajudou a lançar sua carreira jornalística. A professora de 25 anos que processou uma empresa ferroviária tornou-se uma escritora procurada.

Em 1889, ela se tornou parceira no Free Speech and Headlight, um jornal de Memphis com ampla circulação entre o público negro e cristão. Isso lançou outro foco de carreira: a investigação, exposição e cruzada para acabar com o linchamento no Sul. Após o linchamento de três amigos em Memphis, Wells-Barnett escreveu, sem dúvida, seu trabalho mais importante, "Southern Horrors: Lynch Law in All Its Phases" (Horrores do Sul: Leis do Linchamento em todos as suas Fases).

Sua crítica destemida ao linchamento a forçou a deixar Memphis em 1892 para uma cidade menos perigosa, Chicago. Lá, ela trabalhou ao lado de Jane Addams para bloquear a segregação nas escolas públicas de Chicago e foi uma das veteranas mais experientes na luta pelo sufrágio feminino.

Durante o marco do desfile nacional de sufrágio de 1913 em Washington, colegas sufragistas pediram a Wells-Barnett para não caminhar ao lado deles, temendo alienar o apoio branco. Mas quando uma multidão tomou a rota do desfile e começou a bater em mulheres manifestantes, Wells-Barnett se reuniu com seus companheiros sufragistas no caos.

Enquanto Chicago seria sua casa para o resto de sua vida, ela permaneceu altamente procurada em todo o país como palestrante, mentora e organizadora com organizações pró-sufrágio, pró-direitos civis e anti-linchamento. Ela também se tornou uma das duas co-fundadoras negras da NAACP — embora considerada por muitos como radical demais para manter a liderança. Ela permaneceu ativa na reforma urbana em Chicago até sua morte em 1931.

Retrato de Mary McLeod Bethune, Daytona Beach, Flórida, por volta de 1915, cortesia dos Arquivos Estaduais da Flórida, Memória da Flórida.

Mary McLeod Bethune (1875-1955)

Mary McLeod Bethune foi uma das educadoras mais significativas, líder, funcionária do governo e defensora dos direitos civis do século XX.

Uma das mais jovens de 17 filhos, ela nasceu na Carolina do Sul, filha de ex-escravos.

Completando sua educação no Seminário da Escócia e no Moody Institute for Home and Foreign Missions, McLeod tinha a intenção de se tornar um missionária. No entanto, ninguém a enviaria como missionária, então ela concentrou seus esforços na educação e na escola de ensino. Casou-se com outro professor, Albertus Bethune.

Após o fim desse casamento, McLeod Bethune começou sua própria instituição educacional, uma escola para meninas em Daytona, Flórida, que, em 1931, se fundiria com o Cookman Institute e se tornaria a Universidade Bethune-Cookman. A qualidade da educação ali oferecida, combinada com a liderança de McLeod Bethune em organizações de advocacia e juventude, ganhou a atenção da Casa Branca de Roosevelt. Em 1936, foi nomeada diretora de Assuntos Negros da Administração Nacional da Juventude, cargo que a manteria até 1944.

Além de seu legado na educação, McLeod Bethune fez campanhas ativamente pelos direitos civis e lutou para acabar com a discriminação e o linchamento.

Enquanto estava no serviço do governo, tornou-se vice-presidente da NAACP em 1940, um cargo que ela continuaria a ocupar até sua morte em 1955. Ela foi responsável por supervisionar a integração do Corpo do Exército feminino em 1942, e, sob o presidente Truman em 1945, foi nomeada como a única mulher negra presente na fundação das Nações Unidas. Ela era uma empresária de sucesso nas indústrias de hotelaria e seguros.

Como líder Metodista, ela foi uma delegada leiga para a Conferência Geral quatro vezes, defendendo a eliminação da segregada Jurisdição Central.


Este conteúdo foi produzido pela A Questão Metodista, um ministério da United Methodist Communications.