Other Manual Translations: English français español

Dicas para quando o comando 'não fique ansioso' é difícil

A ansiedade é um subproduto compreensível da pandemia COVID-19, mas há maneiras de minimizar o medo. Foto de Andrew Neel do website Pexels
A ansiedade é um subproduto compreensível da pandemia COVID-19, mas há maneiras de minimizar o medo. Foto de Andrew Neel do website Pexels

Mesmo quando o Reverendo John Stephens cita as escrituras do apóstolo Paulo em Filipenses 4:6 que dizem: "Não fique ansioso por nada", o Pastor da área de Houston reconhece a luta.

"Um dos comandos mais difíceis é não se preocupar com nada", diz Stephens, Pastor Titular da Igreja Metodista Unida chapelwood  em Chapelwood, Texas. "A preocupação está constantemente nos desconstruindo, nos fragmentando. Estamos distraídos e dispersos”.

Embora a ansiedade seja um subproduto compreensível em um mundo que vive com a pandemia Coronavírus, alguns pastores Metodistas Unidos dizem que é possível limitar ou eliminar o medo e a preocupação que ameaçam muitos.

"As pessoas pensam que a paz é quando todas as coisas são resolvidas", comenta Stephens. "Isso não é o que é a paz. Se você está falando sobre as circunstâncias mudando, então isso é alívio. A paz é um estado de ser e só Deus pode dar paz."

O Apóstolo Paulo prescreve oração

Então, onde começa esse processo e como? As Escrituras nos dizem, na segunda parte do versículo 6, "... por oração e petição, com ação de graças, apresentem seus pedidos a Deus.

"Acho que Paulo está nos dando uma receita para tirar a preocupação e nos levar à paz, à unidade e à unidade com Deus", ensina Stephens.

Quando Stephens fala com sua congregação sobre oração, ele geralmente os direciona para alguns tipos de orações: a oração centralizada, que pode envolver orar as Escrituras (também chamada de Lectio Divina); e oração contemplativa, que envolve sentar e ouvir a Deus.

O objetivo das orações, diz ele, é "sair do caminho".

Além de orar, o apóstolo também sugere, no versículo 8, redirecionar seus pensamentos, escrevendo: "Finalmente, irmãos e irmãs, o que for verdade, o que for nobre, o que for certo, o que for puro, o que for adorável, o que for admirável – se alguma coisa for excelente ou louvável – pensem nessas coisas."

"Paulo não era um psicólogo, mas há toda essa ciência sobre neuropatias (do seu cérebro) e como mudar seus pensamentos pode mudar seus caminhos neuropata", diz Stephens, acrescentando que ele acredita que Paulo está nos dizendo para pensar positivamente.

Sete dicas para combater o medo
  1. Orar

  2. Focar no positivo

  3. Encontrar uma razão para rir

  4. Praticar uma nova atividade

  5. Desligar as notícias

  6. Lembrar de algo que te conforta

  7. Criar uma lista de afazeres

Procure a beleza

Focar no que é bonito e bom e é como a Reverenda Donna Pritchard escolhe combater a preocupação.  Seja uma flor florescendo em seu quintal ou linhas de seus poemas favoritos, a Pastora Titular da Primeira Igreja Metodista Unida em Portland, Oregon, usa este mecanismo de enfrentamento para se manter conectada com Deus.

"São sinais da presença criativa de Deus neste mundo agora", compartilha. "Só porque estamos vivenciando a vida de uma maneira nova, estranha e difícil, não significa que Deus não esteja conosco. Precisamos lembrar que este momento ainda é o momento de Deus."

Apenas ria

Além de olhar para o positivo no mundo, Pritchard encontra maneiras de rir todos os dias.

"Não se esqueça do poder do humor. Particularmente em um momento em que as pessoas podem estar conscientes da dor no mundo, ajuda dizer que há razões para rir", explica ela, acrescentando que o riso também beneficia o sistema imunológico da pessoa.

O Reverendo Matt Hall vem neste tópico através das lentes da recuperação. Como Pastor Associado dos Ministérios de Recuperação na Primeira Igreja Metodista Unida em Maryville, Tennessee, — e como alguém em recuperação — Hall entende o medo e suas armadilhas.

"Algo que eu continuo dizendo às pessoas é que o oposto do vício não é a sobriedade", diz ele. "O oposto do vício é a comunidade."

Na ausência de comunidade física ordenada pelos governos estaduais e locais, Hall trabalha para manter uma conexão emocional através de reuniões online, telefonemas regulares e outros meios criativos, como festas de assistir a Netflix.

Pessoalmente, ele criou sua própria lista de maneiras de atravessar a solidão para que isso não leve ao medo.

Tente algo novo, revisite algo velho

"Eu comecei a cozinhar", compartilha Hall, observando que ele nunca teve tempo de fazer isso antes.

"Esta é uma grande oportunidade para experimentar coisas novas", sugere Hall, dizendo que tentar algo novo sem público tem vantagens. "Quando é melhor um momento – e um lugar mais seguro – para falhar do que quando confinado a sua própria casa?"

Enquanto Hall pode estar assumindo novas experiências, uma maneira de ele estar lutando contra a preocupação é eliminando outras coisas.

"Estou sendo muito intencional por não seguir nenhum meio de comunicação", diz Hall. "Eu sinto que qualquer notícia de última hora virá a mim de uma forma ou de outra. Não é saudável para mim ser bombardeado por isso.

Em vez disso, Hall se volta para itens que lhe trouxeram conforto durante tempos difíceis passados, como livros.

"Estou revisitando 'Love Does', de Bob Goff", diz ele. "É um dos dois livros que possuo no meu Kindle. Eu provavelmente li esse livro 20 ou 30 vezes.

Claro, a oração também faz parte da receita do Hall.

"Como orei para que Deus tirasse o medo, então faço algo", compartilha Hall. "Na minha própria experiência pessoal, descobri que minhas orações são melhores quando juntamente com ações do meu lado."

As ações, para Hall, incluem fazer uma lista diária para fazer, que sempre consiste em uma lista de 10 pessoas para ligar.

"Se eles estão no meu telefone", diz Hall, "Eu acredito que eles estão lá por uma razão e essa razão pode ser para ligar e dizer, "Olá", hoje."

Nota: Este artigo e as opiniões dos Pastores Metodistas Unidos não devem substituir conselhos médicos. Se você está passando por depressão ou crises prolongadas de ansiedade, procure ajuda de profissionais médicos.

*Crystal Caviness trabalha para UMC.org na United Methodist Communications. Entre em contato por e-mail  ou pelo telefone 615-742-5138.

Esta história foi publicada em 20 de Abril de 2020.