Other Manual Translations: English español

O desafio da fé: Pense em pessoas e não em projetos

Buscando a gentileza humana
Buscando a gentileza humana
As pessoas não são problemas a serem resolvidos. São mistérios a serem explorados.— Eugene H. Peterson

Anos atrás, eu tive uma experiência estranha, mas inegável em um Starbucks em Aiea, Havaí.

Como servimos melhor aos outros?

Conheça as pessoas como pessoas, não como projetos.

Fui chamado por estar muito confortável por uma voz na minha cabeça que soava muito parecida com a minha.

Eu desejava seguir Cristo, mas senti um desejo igualmente poderoso de ficar dentro da minha zona de conforto enquanto fazia isso.

Então aquela voz (que soava como a minha, mas não parecia que eu estava falando comigo mesmo) perguntou: "Você fala sobre servir os sem-teto, mas quantos sem-teto você conhece?"

É uma experiência incrivelmente estranha se sentir na defensiva sobre uma pergunta que você mesmo fez.

Mas eu comecei a responder: "Bem, há as pessoas que servimos na River House (uma organização sem fins lucrativos que servia os sem teto)... e depois há a Sandwich Patrol (um empreendimento mensal de servir a refeição aos sem teto com saco marrom tudo a partir do dinheiro que os jovens levantaram)..."

Falando comigo mesmo

Então aquela voz (minha  voz) me parou e perguntou: "Não. Quem você realmente conhece? Quais são os nomes das pessoas com quem você interagiu?"

É uma experiência estranha se sentir defensiva sobre uma pergunta que você mesmo fez: é até mesmo uma experiência mais estranha ser perplexo e silenciado pela sua própria voz.

Mas... Eu? ...isso me pegou.

A verdade é que todos os "ministérios" que fazíamos pelas pessoas sem teto eram tão impessoais. Fizemos a nossa coisa e fomos embora. Foi só isso. E nós nos daríamos tapinhas nas costas por um trabalho bem feito. Quando voltamos à igreja, as pessoas que servimos eram uma memória distante.

Acontece que estávamos tratando as pessoas como projetos e não como seres humanos. E eu não tinha ninguém para culpar além de mim mesmo por permitir que isso acontecesse.

"Vá e conheça alguém", eu me instruí.

Depois de uma reunião na igreja (que não precisava ser uma reunião), senti que não podia ir para casa. Senti que tinha negócios para cuidar. Havia uma sensação intensa de: "Eu preciso sair da minha zona de conforto  agora ou eu nunca vou sair." Entrei no meu carro e dirigi até Chinatown por volta das 21h.

Já estive em Chinatown muitas vezes, mas nunca à noite. Nada parecia familiar à noite. Comecei a me perguntar se havia algo de errado comigo. Mas ainda assim, me senti compelido pela conversa que tive... comigo mesmo... no início do dia, então eu comecei a andar por lá.

Eu não tinha idéia para onde eu estava indo ou o que eu estava para fazer. Devo falar com alguém e dizer: "Ei, se você tiver um momento, eu gostaria de te contar sobre um amigo meu. Talvez tenha ouvido falar dele antes? O nome dele é Cristo. Jesus Cristo"?

Foi quando alguém me perguntou se eu tinha 90 centavos de sobra.

Eu tinha uma nota de 5 dólares e me ofereci a ele e enquanto perguntava se eu poderia sair com ele por um tempo. Felizmente, ele estava mais do que feliz em me deixar.

O nome dele era Reid. Reid era um veterano sem sorte e esperando o dinheiro que lhe era devido. Ele estava esperando há 11 meses, mas estava certo de que viria mais cedo ou mais tarde. Ele teve um ataque cardíaco há um tempo atrás, que foi a principal razão pela qual ele ficou sem teto. Ele me contou sobre seu tempo na Guerra do Vietnã, sua vida antes da guerra e sua vida pós-guerra, e como ele chegou ao Havaí.

Quando houve uma calmaria em nossa conversa, perguntei a ele (sem sequer perceber o que eu estava dizendo até depois que eu disse): "Você acredita em Deus?" Não fazia idéia porque perguntei isso. Estávamos tendo uma ótima conversa e eu estava com medo que isso colocasse um garfo nisso. Se ele disser "sim" como vou prosseguir? "Legal..."? Se ele disser "não" como vou prosseguir? "Legal..."?

Ele disse: "Claro que sim." E, novamente, minha boca estava se movendo mais rápido do que minha mente porque quase instintivamente, eu perguntei,"Por quê? "

Ele explicou que embora ele possa ter perdido tudo, Deus estava sempre lá revelando a Si mesmo aqui e ali. Reid explicou que nunca se sentiu abandonado, esquecido ou abandonado por Deus e que se ele não acreditasse em Deus, ele poderia não ter tido a esperança de continuar vivendo.

Ele me perguntou se eu acreditava em Deus. Respondi-lhe honestamente: "Eu sim. Mas às vezes eu luto. E às vezes, eu acho que vai ser mais fácil simplesmente parar tudo e não acreditar em nada.

"O que você faz para viver, Joe?" Ele perguntou.

"Eu... Bem... Eu sou um pastor.

Reid soltou uma risada tão alta, que acordou alguns de seus vizinhos adormecidos.

"Você vai ficar bem. Continue vivendo sua fé da melhor maneira que você sabe."

Visitei Reid (e seu parceiro de negócios, Tom — uma história para outra época) todas as Quintas-feiras (até ser chamado para o sul da Califórnia) geralmente com cervejas e pizza.

O que a fé me obrigou a fazer?

Tem sido uma das coisas mais estranhas que a fé me obrigou a fazer. E por causa disso, conheci Reid que me ensinou a importância de me conectar com as pessoas; construir relacionamentos; vendo a humanidade e a imagem de Cristo nas pessoas que servimos. Caso contrário, as pessoas acabam se tornando projetos que vão contra o que Jesus nos chama de fazer.

Não somos chamados para gerenciar projeto, mas construir  relacionamentos.

E muitas vezes, construir relacionamentos significa conhecer alguém, e nos obrigando a sair da nossa zona de conforto.

O que a fé te obriga a fazer? Se você está procurando conhecer algumas pessoas, confira esta lista de comunidades de fé que buscam construir relacionamentos online. Você também pode estar interessado nos seguintes artigos: 


Joseph Yoo da costa-oeste de coração e vive em Houston, Texas com sua esposa e filho. Ele serve na Igreja Mosaico em Houston. Encontre mais de suas escritas em josephyoo.com.