Other Manual Translations: English français español

Perspectivas: Uma conversa com titãs dos direitos civis sobre o racismo

Racial justice: then and now. (Top) March on Washington for Jobs and Freedom in Washington, D.C. on August 28, 1963; photo from Library of Congress. (Bottom) I Will Breathe March on June 4, 2020, in Nashville, Tenn.; photo by Chanitra Dreher Photography. Photo illustration by Crystal Caviness, United Methodist Communications
Racial justice: then and now. (Top) March on Washington for Jobs and Freedom in Washington, D.C. on August 28, 1963; photo from Library of Congress. (Bottom) I Will Breathe March on June 4, 2020, in Nashville, Tenn.; photo by Chanitra Dreher Photography. Photo illustration by Crystal Caviness, United Methodist Communications
Civil rights leaders, including Martin Luther King, Jr., surrounded by crowds carrying signs at the March on Washington for Jobs and Freedom, August 28, 1963. Photo from the Library of Congress
Civil rights leaders, including Martin Luther King, Jr., surrounded by crowds carrying signs at the March on Washington for Jobs and Freedom, August 28, 1963. Photo from the Library of Congress
Procession of African Americans carry signs for equal rights, integrated schools, decent housing, and an end to bias at the March on Washington for Jobs and Freedom on August 28, 1963. Photo by Warren K. Leffler, property of Library of Congress
Procession of African Americans carry signs for equal rights, integrated schools, decent housing, and an end to bias at the March on Washington for Jobs and Freedom on August 28, 1963. Photo by Warren K. Leffler, property of Library of Congress
The Rev. Gilbert H. Caldwell (right) stands with the Revs. Martin Luther King Jr. (left) and Virgil Wood on the roof of a Boston public school in 1965. Photo courtesy of the Rev. Gilbert H. Caldwell.
The Rev. Gilbert H. Caldwell (right) stands with the Revs. Martin Luther King Jr. (left) and Virgil Wood on the roof of a Boston public school in 1965. Photo courtesy of the Rev. Gilbert H. Caldwell.
March for Peace, Jobs and Freedom on the 20th anniversary of the original march in Washington, D.C. 1984. The Rev. James Lawson (center) leads a group from Holman United Methodist Church in Los Angeles. Photo by John C. Goodwin, United Methodist Board of Global Ministries.
March for Peace, Jobs and Freedom on the 20th anniversary of the original march in Washington, D.C. 1984. The Rev. James Lawson (center) leads a group from Holman United Methodist Church in Los Angeles. Photo by John C. Goodwin, United Methodist Board of Global Ministries.
Rev. Tex Sample in 2006 Photo by Mike DuBose, United Methodist Communications
Rev. Tex Sample in 2006 Photo by Mike DuBose, United Methodist Communications
Clara Ester of the Alabama-West Florida Conference addresses the 2016 United Methodist General Conference in Portland, Ore. Photo by Mike DuBose, UMNS
Clara Ester of the Alabama-West Florida Conference addresses the 2016 United Methodist General Conference in Portland, Ore. Photo by Mike DuBose, UMNS
Freedom School scholars from Gordon Memorial United Methodist Church in Nashville, Tenn., visit the Civil Rights Room in 2017 at the Nashville Public Library to learn from Freedom Rider Rip Patton. Photo by Mike DuBose.
Freedom School scholars from Gordon Memorial United Methodist Church in Nashville, Tenn., visit the Civil Rights Room in 2017 at the Nashville Public Library to learn from Freedom Rider Rip Patton. Photo by Mike DuBose.
United Methodist Bishop LaTrelle Easterling (right) offers a prayer during an interfaith vigil near the White House in Washington Wednesday, June 3, 2020. Photo by Melissa Lauber, Baltimore-Washington Conference.
United Methodist Bishop LaTrelle Easterling (right) offers a prayer during an interfaith vigil near the White House in Washington Wednesday, June 3, 2020. Photo by Melissa Lauber, Baltimore-Washington Conference.
Protesters march during the “I Will Breathe” rally on June 4, 2020, at Legislative Plaza in Nashville, Tenn. Thousands attended the rally in support of George Floyd, who was killed in Minneapolis by a police officer. Photo by Chanitra Dreher Photography.
Protesters march during the “I Will Breathe” rally on June 4, 2020, at Legislative Plaza in Nashville, Tenn. Thousands attended the rally in support of George Floyd, who was killed in Minneapolis by a police officer. Photo by Chanitra Dreher Photography.

Os momentos que eles viveram encheram as páginas da história dos direitos civis dos EUA.

Estes Metodistas Unidos, o Reverendo Gilbert Caldwell, Clara Ester, o Reverendo James Lawson, o Dr. Rip Patton e o  Reverendo  Tex  Sample, são fabricantes de mudanças que, como jovens, não só participaram, mas moldaram a história. As lições aprendidas ao longo do caminho não devem ser esquecidas.

Hoje, esses titãs dos direitos civis refletem sobre o que está acontecendo nos Estados Unidos em relação à injustiça racial, como os protestos atuais em torno da morte de George Floyd e outros devido à brutalidade policial se comparam com as décadas de 1950 e 1960 e que papel a Igreja Metodista Unida pode desempenhar no fim do racismo.

Passado

Trabalhando ao lado de pessoas como o Revdo Dr. Martin Luther King Jr., o Revdo John Lewis e outros, os esforços desses líderes Metodistas Unidos resultaram na aprovação dos Atos de Direitos Civis de 1964 e 1968, proibindo a discriminação e a segregação, removendo sinais "apenas brancos" e abrindo caminho para futuras reformas.

"Nosso movimento foi o primeiro desde o movimento de 1860 a mobilizar a comunidade negra para começar a combater a perseguição que enfrentamos... e isso começou a lidar com o racismo e suas estruturas de erro", diz o Revdo James Lawson, que foi escolhido a dedo por King para ensinar sobre protestos não violentos aos participantes do movimento.

Uma série de eventos monumentais começaram a ocorrer, todos estratégicos e visando a não-violência: o boicote de ônibus de 381 dias em Montgomery, Alabama, em 1955; 1960 sit-ins (especificamente em Greensboro, Carolina do Norte, e Nashville, Tennessee); a Marcha sobre Washington com 300.000 em 1963; a marcha de Selma, Alabama, para Montgomery em 1965; e o Movimento pela Liberdade de Chicago, também em 1965.

Embora a não-violência fosse um objetivo, o movimento estava longe de ser pacífico. Foram feitas prisões, participantes espancados, cidades queimadas, pessoas mortas. Qualquer um que escolhesse fazer parte do movimento entendia os perigos.

"Todos nós sabíamos", diz Patton, membro da Igreja Metodista Unida Gordon Memorial e um veterano Cavaleiro da Liberdade que viajou de carro de Nashville para Montgomery para embarcar em um ônibus com destino a Jackson, Mississippi. Quando chegou a hora de sair de Nashville, Patton diz que sabia que um ônibus tinha sido queimado e amigos tinham sido espancados e hospitalizados. Ele também foi informado de que 3.000 membros da Ku Klux Klan estariam esperando pelo ônibus. Quando o ônibus finalmente chegou em Jackson, Patton, a quarta pessoa fora do ônibus e parte de um trio que entrou por uma porta rotulada "Só brancos" para se sentar no balcão de almoço da rodoviária, foi preso e levado para a Penitenciária Estadual do Mississippi.

"Essa foi minha primeira prisão", diz Patton.

Quando King foi assassinado em 4 de Abril de 1968, os Estados Unidos estavam começando a ver mudanças. Mas mais mudanças precisavam acontecer.

"Os atos de Direitos Civis foram aprovados. Podemos andar de ônibus. Os sinais racistas contra pessoas de cor também caíram", lembra Ester, "Mas o ódio nunca saiu".

Ester, uma Diaconisa Metodista Unida e vice-presidente nacional das Mulheres Metodistas Unidas, estava no estacionamento do Hotel Lorraine quando King foi baleado, um momento que Ester diz ter transformado seu próprio ódio.

"Testemunhando sua morte. Vê-lo naquela varanda. Ouvi-lo na noite anterior a falar:  "Posso não chegar lá com você, mas nós, como povo, chegaremos à Terra Prometida." Reconhecendo cada vez mais sobre seu compromisso com o processo não violento. Havia algo sobre estar sobre seu corpo que dizia: 'Você precisa mudar seu ódio. Você precisa amar.'

Agora

"Temos alguma indignação neste país agora por causa do assassinato de George Floyd e devemos ter indignação moral", diz Sample. "Minha preocupação é que somos o tipo de sociedade que algo hoje acaba se desgastando e a mídia se afasta e as pessoas se afastam. E então não temos mais nada. Isso faz importante que não tenhamos simplesmente manifestações expressivas, mas que tenhamos pessoas organizando no chão e construindo esse tipo de poder e que sigam adiante com esse ultraje e tomem direções para fazer a diferença."

Sample, um Pastor Metodista Unido que é um defensor dos direitos civis ao longo da vida e organizador de comunidade, sabe em primeira mão a importância da organização. Durante a década de 1960, ele trabalhou com o Conselho de Igrejas de Massachusetts, organizando a marcha de Selma a Montgomery, que Sample marchou na última etapa com mais de 25.000 outros manifestantes. Ao todo, a marcha de Selma a Montgomery foi uma série de três marchas bem orquestradas durante um período de 18 dias.

Para todo o progresso do movimento dos direitos civis, alguns líderes acreditam que a era era era apenas a fase um.

"Os EUA precisam, neste século 21, de uma grande campanha de não-violência que fará nosso movimento nos anos 50, 60 e 70 pálido em comparação", sugere Lawson. "Um movimento que vai avançar a causa muito mais do que a avançamos. Foram os movimentos do século 20 que nos trouxeram a esse lugar."

  The Rev. James Lawson speaks about nonviolence at First Baptist Church in Montgomery, Ala., the site of a 1961 confrontation between Freedom Riders and an angry mob. The visit to the church was part of the March 6-8 congressional civil rights pilgrimage to Alabama. Lawson was one of several United Methodist leaders participating in trip sponsored by the Faith and Politics Institute. A UMNS photo by Kathy L. Gilbert  

O Reverendo James Lawson fala sobre a não-violência na Primeira Igreja Batista em Montgomery, Alabama, o local de um confronto de 1961 entre Cavaleiros da Liberdade e uma multidão furiosa. A visita à igreja foi parte da peregrinação pelos direitos civis do Congresso de 6 a 8 de Março ao Alabama. Lawson foi um dos vários líderes Metodistas Unidos que participaram de uma viagem patrocinada pelo Instituto Fé e Política. Uma foto da UMNS de Kathy L. Gilbert

Lawson é encorajado pelo que vê acontecendo em cidades de todo o país – e no mundo.

"Este é Deus trabalhando, essa é a minha posição", diz Lawson, creditando a rede Black Lives Matter por "estruturar tão bem a campanha atual. Eles têm sido sistematicamente organizados desde a morte de  Trayvon Martin. E essa campanha é uma consequência de sua organização e estratégia."

Uma semelhança entre o movimento dos direitos civis e o que está ocorrendo agora é o envolvimento de "pessoas que estavam cansadas de estarem cansadas", diz Ester. Essa frustração aliada à pandemia COVID-19 aumentou o movimento atual, acredita ela.

"A pandemia tem todo mundo no país praticamente trabalhando em casa ou não trabalhando. Então você tem uma população maior que é livre e então você tem tecnologia... então você vê o que está acontecendo", explica. "George Floyd está dando sua vida naquele dia e os Americanos testemunharam a crueldade e a crueldade do privilégio branco... Isso incendiou todas essas pessoas na ordem de ficar em casa ... e as pessoas que viveram por isso por 400 anos."

Sinais encorajadores

Os líderes são encorajados a que o atual movimento contra a injustiça racial possa, como Lawson expressa, concretizar as bases estabelecidas nas décadas de 1950 e 1960.

"Estou profundamente impressionado com a diversidade de pessoas que carregam sinais de Black Lives Matter", diz Caldwell, um Pastor Metodista Unido que apoiou os movimentos eleitorais no Mississippi, marchou sobre Washington e marchou de Selma para Montgomery a pedido de King.

"Quero sugerir que este é um ponto de virada em termos de justiça racial. A participação dos Brancos é importante", observa ele, acrescentando que milhões de pessoas que viram a morte de Floyd "foi um alerta com o qual nós, Negros, estamos preocupados o tempo todo. É um sinal muito esperançoso.

"Eu olho para todos esses jovens e espero que eles sejam corajosos e corajosos o suficiente para nadar contra a corrente e serem anti racistas", diz Caldwell.

O próximo passo, diz Patton, é que o novo grupo de fabricantes de mudanças trabalhe em conjunto em solidariedade.

"As pessoas que estão procurando mudança devem se sentar para falar sobre o que você quer ver diferente", ele explica. "Se você está no comando e eu estou no comando e nós não estamos nos unindo para ver em que direção estamos indo, podemos estar indo em duas direções diferentes para chegar ao mesmo lugar ou podemos estar indo em duas direções diferentes e nunca chegar ao mesmo ponto.

"Vamos unir as pessoas", diz Patton, "de uma forma organizada e não violenta."

O papel da Igreja Metodista Unida

Todos concordam que a Igreja Metodista Unida pode liderar o caminho para abordar o racismo sistêmico da nação.

"Portanto, uma tarefa importante da igreja é dar a base espiritual, a base Bíblica e a base intelectual para a mudança", diz Lawson. "Eu acho que o ... trabalho da Igreja nunca é mais assustador do que é hoje.

  The Rev. Gilbert Caldwell, a retired United Methodist pastor and civil rights activist who marched alongside the Rev. Martin Luther King Jr., speaks during a Black Lives Matter rally June 7 in Willingboro, N.J. To Caldwell's right is his wife, Grace Caldwell. To Caldwell's left is the Rev. Vanessa Wilson, chairperson of the Greater New Jersey Commission on Race and Religion and pastor of Good Shepherd United Methodist Church in Willingboro. The protest was one of many taking place in the U.S. in smaller cities and towns involving United Methodists. Photo by Aaron Wilson Watson 

O Reverendo Gilbert Caldwell, um Pastor Metodista aposentado e ativista dos direitos civis que marchou ao lado do Revdo Martin Luther King Jr., fala durante um comício Black Lives Matter 7 de Junho em Willingboro, N.J. À direita de Caldwell está sua esposa, Grace Caldwell. À esquerda de Caldwell está a Revda Vanessa Wilson, Presidente da Comissão de Raça e Religião de Grande Nova Jersey e Pastora da Igreja Metodista Good Shepherd astor em Willingboro. O protesto foi um dos muitos que ocorreram nos EUA em cidades pequenas e cidades envolvendo Metodistas Unidos. Foto de Aaron Wilson Watson.

Falando francamente, esses ícones dos direitos civis dizem que a denominação muitas vezes perdeu oportunidades de erradicar a injustiça racial. A fusão de 1968  que formou a atual Igreja Metodista Unida e eliminou a Jurisdição Central segregada foi o passo certo, dizem eles, mas não levou a mudanças radicais.

"Temos que desaprender o que nos ensinaram e aprenderam a vida toda e reaprender o que a verdade pode ser", afirma.

"Quantas igrejas brancas", pergunta Ester, "chamaram o nome de Floyd no domingo seguinte à sua morte, reconhecendo o que havia acontecido? Quantas igrejas brancas tiveram conversas cruciais em torno da pandemia do racismo – sem que ninguém lhes diga?

"Quantas igrejas brancas", ela se pergunta em voz alta, "estenderam a mão às igrejas negras para dizer 'Eu te ouço e sinto sua dor? O que posso fazer para aliviar um pouco disso e nos ajudar a entender melhor?'"

"Vamos conciliar essas diferenças", diz Ester. "Vamos abrir nossas portas e ter portas abertas, corações abertos e mentes abertas.

"Paulo diz que Deus fez uma nova criação e que a nova criação está na igreja e em sua comunidade", diz Sample. "A questão é que temos uma maravilhosa justificativa bíblica para ser uma igreja que responde à graça de Deus e também à atividade justa a Deus no mundo. Precisamos que o levante das pessoas de fé diga que vamos trabalhar juntos para o bem comum."

A esperança permanece

"Quero que 2020 seja visto como o momento em que os EUA e a UMC e toda a nação leve a sério a divisão racial e percebam que não somos a nação que poderíamos ser", diz Caldwell.

"Minha esperança é que de alguma forma o Espírito Santo esteja trabalhando entre nós, que nós como Metodistas Unidos, possamos trabalhar – tradicionalistas, centristas e progressistas – e enfrentaremos não apenas a injustiça racial, mas a injustiça de todos os tipos para que 2020 seja o momento em que a Igreja Metodista Unida se vira e desenvolve um novo futuro para si mesma.

"Acredito que Deus está nos chamando de Racial, Reparações, Igreja Reconciliante", proclama Caldwell. "Ser assim seria se engajar na transformação do mundo em resposta a Jesus Cristo."

Crystal Caviness  trabalha para UMC.org na United Metodista Communications. Entre em contato por  e-mail  ou pelo telefone 615-742-5138.

Esta história foi publicada em 22 de Julho de 2020. 

Leia aqui o pensamento do Rev. James Lawson sobre a Black Lives Matter como um movimento religioso.