Other Manual Translations: English français español

Uma pandemia muda tudo, até mesmo o luto

A COVID-19 mudou tudo, inclusive a forma como lamentamos e como confortamos aqueles que estão de luto. Imagem de Jacques Gaimard de Pixabay
A COVID-19 mudou tudo, inclusive a forma como lamentamos e como confortamos aqueles que estão de luto. Imagem de Jacques Gaimard de Pixabay

Gerri Helms anda de bicicleta muito mais hoje em dia. Pedalando pelo bairro dela, tomando nota das flores florescendo e da grama verde, faz parte de sua prescrição de luto desde que seu marido faleceu há algumas semanas.

O COVID-19 está devastando as fendas do nosso mundo, mesmo aqueles cantos íntimos onde sofremos em privado e onde nossos entes queridos desejam entrar de luto conosco. Nós simplesmente não podemos sofrer do jeito que normalmente sofreríamos.

"Não há regras para isso", diz o reverendo Jefferson Furtado, da Igreja Metodista Connell Memorial United,  em Goodlettsville, Tennessee. "Quando há uma tragédia, a reação é de nos unirmos. Esta é a primeira vez em um século que não podemos fazer isso."

Furtado, cuja congregação passou por seis mortes ao longo de duas semanas, incluindo a morte do marido de Helms, peleja em como confortar de longe. Como pastor, seu papel tem sido ficar de perto, dar as mãos e dar abraços durante os momentos mais difíceis da vida. Ele lamenta porque recentemente ele foi incapaz de passar pelo estacionamento do hospital para chegar a um membro da igreja que estava morrendo.

Gerri Helms and her husband, Doug. Photo courtesy of Gerri Helms

Gerri Helms (à frente) compartilha a história da morte de seu marido, Doug (atrás), nesta época da COVID-19. Foto por Gerri Helms.

A história de uma mulher

Helms, também, estava confinada ao estacionamento do centro médico enquanto seu marido, Doug, foi a uma consulta médica. Sem o conhecimento de Helms, momentos depois de tirar um raio-X para verificar sua COPD, Doug desmaiou por conta de um ataque cardíaco. Os médicos trabalharam por 10 minutos para reanimá-lo, uma tentativa bem-sucedida na época. No entanto, ele nunca recuperou a consciência.

Enquanto Doug lutava para viver, Helms sentou-se em seu carro a algumas centenas de metros de distância, sem saber que qualquer coisa que deu errado. Depois de duas horas de espera, ela começou a mandar mensagens para o marido, perguntando por que sua consulta estava demorando tanto. Quando o celular dela tocou, um administrador do hospital estava fazendo perguntas sobre o seguro médico do Doug.

Entre mais telefonemas, sendo levada pela segurança do hospital – completa com uma verificação de temperatura do corpo – ela foi apressada para uma sala pequena, Helms ouviu a história inacreditável do que havia ocorrido.

"Eu estou pensando, 'Oh meu Deus! Tudo o que fiz foi levar meu marido ao consultório'", lembra. "E agora este médico está dizendo: 'Você quer fazer isso ou isso ou isso?'"

Com os membros da família fazendo vigília no estacionamento do lado de fora das portas do hospital, Helms, sozinha, vestida com um uma roupa hospitalar de proteção amarela com máscara e luvas, fez as decisões de fim de vida do seu marido.

"Não conseguimos estar lá como família para abraçar ou chorarmos juntos", lembra. "Eu não tinha ninguém lá para dizer: 'Eu acho que o que você está fazendo é certo' ou 'o que você está fazendo é errado.'

Dicas para quando você está de luto

  1. Ouça a sua alma e faça o que é saudável para você. Isso pode significar sair para ver a  natureza, tomar um banho quente, ler versículos bíblicos favoritos.
  2. Reúna um grupo que o acompanhará durante o processo de luto. Identifique seus entes queridos que ficarão felizes em falar com você às 3 da manhã ou aquele que não tem problema em sentar em silêncio por um longo tempo durante uma conversa de telefone, se for necessário. Encontre pessoas que não se importam se você chamá-los várias vezes no mesmo dia.
  3. Abrace a quem está perto de você, mesmo que seja um animal de estimação. Um abraço é crucial em tempos de luto. Para as pessoas que vivem sozinhas, animais de estimação podem oferecer afeto. Mas não hesite em usar itens tangíveis, como animais de pelúcia que possuem significado sentimental ou um cobertor ou colcha ponderada. "Isso não muda o estado das coisas", reconhece o Dr. Terrell McDaniel, "mas pode ser fisicamente confortante."
  4. Aproveite a tecnología para se manter conectado. Use seu telefone, tablet, computador para falar, textos, bate-papo por vídeo com outros.
  5. Leve tempo para sentir o luto. "O padrão normal de luto é geralmente pensado em termos de dois anos como um ponto de partida", observa McDaniel, acrescentando que o primeiro ano será mais agudo.

Luto em isolamento

Os timões voltaram para casa para uma casa vazia, exceto para seu gato.

Mas logo, seu chefe estava tocando a campainha da porta e deixando cair a comida. Seu pastor telefonava regularmente. A vizinha do lado cortou a grama dela. Seu professor da Escola Dominical deixou um presente no alpendre da frente.

"As pessoas estão encontrando maneiras de lhe dizer que elas estão lá para você", reconhece Helms. "Mas não é nada parecido com o fato de uma família estar junta".

"A outra coisa que está acontecendo neste momento para as pessoas que estão de luto é que há uma maior sensação de isolamento, além da perda", diz o Dr. Terrell McDaniel, psicólogo do Médio Tennessee e membro da Igreja Metodista Belmont, em Nashville, Tennessee.

"Temos que fazer o luto e o apoio daqueles que sofrem de uma nova forma", diz ele.

Os que estão de luto devem dar a si mesmos permissão para identificar o que precisam lamentar de forma saudável e depois usar as várias tecnologias para fazer as conexões necessárias.

"Eu não hesitaria em ficar ligado (telefonemas, videochamadas) por muito tempo se precisasse, assim como de manhã, e à noite". Eu encontraria pessoas que ficariam felizes por eu ligar para elas às 3 da manhã", diz McDaniel.

"Eu determinaria com quem sei que posso contar, com quem me ama o suficiente para me acompanhar através deste pesar".

O sistema de apoio dos timoneiros é grande e seu marido era bem amado. Mas mesmo isso provou ser um desafio na era do coronavírus onde as reuniões, como os funerais, são limitadas a 10 pessoas ou menos.

"Meu marido tem tantos amigos e familiares fora do estado, diz Helms. "Eu não quero ser sobrecarregado por quem seriam essas 10 pessoas".

No futuro, será realizada uma cerimônia fúnebre.

Dicas para ajudar um ente querido que está de luto

  1. Esteja presente. Crie um espaço para uma pessoa falar e processar. "A presença é profundamente subestimada e os conselhos são superestimados", compartilha McDaniel. E na era do COVID-19, isso significa de longe.
  2. Mande uma refeição, envie um cartão de presente do restaurante.
  3. Mande cartões pelo correio ou cartas para lembrar aquele que está de luto que os outros se importam com ele.
  4. Você decide. Se você conhece bem a pessoa, você pode fazer uma coordenação  entre um grupo próximo de amigos para que todos estejam envolvidos em ter a sua vez de cuidar da pessoa.
  5. Lembre. Coloque um lembrete em seu calendário marcando o aniversário de seis meses da morte do ente querido. Alcançar meses depois da morte é importante porque o luto continua mesmo com o passar do tempo e uma nova normalidade se forma.

Por que a igreja importa no luto

Helms é membro ativa na Igreja Metodista Unida Connell Memorial e a igreja continuará a apoiá-la. Para aqueles que não têm uma conexão forte, no entanto, a igreja ainda pode desempenhar um papel importante. As pessoas que não estão envolvidas com a igreja devem procurar uma  igreja que devem estar preparadas para receber essas pessoas, diz o Dr. Terrell McDaniel, psicólogo de Middle Tennessee e membro da Igreja Belmont United Methodist Church em Nashville, Tennessee.

"Não se trata de crenças ou de adesão, mas de fazer conexões humanas", esclarece McDaniel. "Os psicólogos sabem que estar envolvido em uma igreja proporciona um sistema de apoio significativo o que é considerado uma força.

"Este é um momento em que precisamos nos apoiar na igreja", diz ele, observando que os pastores, ministros de Stephen e outros líderes da igreja podem oferecer recursos vitais, bem como fornecer cuidados.

Navegando em um novo normal

Além de andar de bicicleta, o regime de autocuidado do Helms inclui trabalhar em seu quintal e conversar mais freqüentemente com seu terapeuta, um movimento que ela diz estar ajudando-a a navegar nas muitas decisões que ela agora toma sem seu cônjuge. Suas conversas com Deus também têm aumentado.

"Eu vejo Deus fazendo coisas por mim - e Ele o fez esta manhã", diz ela, ao recontar o que se tornou um cenário familiar. "Eu disse: 'Deus, não consigo encontrar este papel que preciso'. E em poucos minutos, consegui encontrar o que estava procurando, em um lugar onde já havia procurado. Acho que é o Espírito Santo", diz ela, "E é lá que eu vejo Deus lá para mim".

As dicas foram compiladas com base em entrevistas com o Dr. Terrell McDaniel e o Reverendo Jefferson Furtado.

*Crystal Caviness trabalha para UMC.org na United Methodist Communications. Entre em contato com ela por e-mail ou pelo telefone 615-742-5138.

Esta história foi publicada em 29 de abril de 2020.