Você rejeita o mal?

A essência da natureza do mal é quando nós presumimos que nós temos mais valor do que qualquer outra pessoa.

É essa força que nos convence de que somos mais importantes que nosso vizinho, mais importantes que Deus. É essa força que nos leva a acreditar que nossos próprios desejos superam o amor, a paz e a justiça. É essa força que nos diz que nosso valor é negociável, e que a proteção e a defesa desse valor só depende de nós mesmos.

Disponible en españolAvailable in English

É o mal que cutuca o inseguro: "Sua segurança virá do domínio".

É o mal que incomoda os fracos: "A melhor coisa para você fazer é ameaçar outro".

É o mal que sussurra nos ouvidos dos perdidos: "A única maneira de consertar isso é morrer".

Isto é o que testemunhamos com uma severidade alarmante nos últimos meses.

Os eventos em Charlottesville, o tiroteio na igreja em Antioch, TN, e as terríveis notícias do tiroteio em massa em Las Vegas, deixam todos nós com a pergunta incontestável: por quê

Não há uma resposta definitiva para o "porquê" da supremacia branca, racismo e morte, literalmente chovendo sobre as cabeças de pessoas inocentes. Não há resposta suficiente para "quanto tempo, ó Senhor?", enquanto observamos diariamente a manifestação do mal, em todas as suas formas, ameaçando a segurança de pessoas inocentes.

Como a artista e ativista Judy Baca disse: "A própria terra está literalmente protestando contra os males que fizemos a ela". Montanhas estão desmoronando, oceanos estão girando, ventos estão destruindo. Até mesmo as pedras gritam em protesto contra as maneiras pelas quais nós, toda a humanidade, nos consideramos mais importantes que o Outro - a terra, nossos vizinhos, as próximas gerações, o Deus Todo-Poderoso.

A natureza do mal é o que nos leva à morte. O dever do mal é se afastar da luz e da verdade, e marchar com firmeza os que estão ao seu alcance, para o abismo cada vez mais envolvente da perda. É poderoso, convincente e com demasiada frequência ... indiscutível.

Se nos é prometido que Jesus é o Caminho, a Verdade e a Vida, então o Mal é exatamente o oposto disso. O mal, literalmente, é o Anticristo.

O mal é o caminho errado, um mentiroso amargo e a manifestação da morte

Meu próprio cinismo em relação a ascensão do mal é, em si, uma forma de poder do mal sobre mim. Eu ouço as palavras das pessoas dizendo: "Deus está com os quebrantados", e sinto a raiva se agitar na minha barriga quando duvido da sinceridade do orador. Meu próprio cinismo me leva a me sentir indiferente às orações ou ao uso das escrituras. Essas orações podem ser sinceras - quem sou eu para dizer o contrário -, mas a omissão da verdade profunda nos sentimentos alimenta minha indignação. Isso é o mal, se manifestando em mim. E, por isso, sinto muito e confesso como está errado.

Então, o que fazemos? Como nós devemos reagir diante do mal?

Eu gostaria de ter uma resposta fácil para isso. Como ministra cristã, vou lhe dizer que acreditamos em algo poderoso sobre o nosso batismo. Na Igreja Metodista Unida, nós perguntamos aos pais de pequenos bebês uma pergunta absurda quando eles apresentam suas crianças lindamente penteadas para o batismo:

EM NOME DE TODA A IGREJA,

VOCÊS RENUNCIAM AS FORÇAS ESPIRITUAIS DA INIQUIDADE,

REJEITAM OS PODERES MALIGNOS DESTE MUNDO,

E ARREPENDEM-SE DE SEUS PECADOS?

 Cada par de pais que eu já encontrei responde com um tímido: "Sim".

Não há resposta melhor, dado que acabei de lhes dizer que, para prosseguir com o belo sacramento do batismo, que oferece um belo encontro com a graça de Deus, precisamos saber que eles renunciam às forças da maldade e do mal no mundo. e em suas próprias vidas.

O batismo é um ato radical.

Esta não é uma foto agradável, com gerações sorrindo ao redor de um bebê chorão e confuso.

É importantíssimo.

Sei que a expressão  "lembre-se do seu batismo" não parece ser uma resposta suficiente para tiroteios em massa, desastres naturais ou o aumento da supremacia branca.

Mas, meus amigos: e se for?

E se, lembrando-nos de nossos próprios batismos, nos lembrarmos de que possuímos o poder de rejeitar o mal neste mundo, em todas as formas em que ele se apresenta? E se, ao lembrarmos nossos próprios batismos, nos lembrarmos de que temos o poder de combater toda e qualquer manifestação de iniquidade?

Pense no que podemos fazer se nos lembrarmos de nossos batismos e do dia em que essas promessas foram feitas em nosso favor?

Significa que Deus nos concedeu o poder, a dignidade e a capacidade de defender o que é bom, de servir como bons mordomos para a criação, de amar nossos vizinhos.

Amigos, podemos orar. Nós vamos orar. Nós estamos orando. Deus Todo-Poderoso, tenha misericórdia de cada um de nós. Mas não podemos esperar mais para fazer alguma coisa.

Então, comece lembrando o seu batismo - volte para a beleza e graça daquele momento, as boas intenções que Deus tem para o desenvolvimento da sua vida e trabalhe a partir daí. Ore pelos seus próximos passos, como alguém capacitado para dizer até mesmo à própria morte que ela não tem poder.

Hoje não é um dia para deixar o mal vencer, e se desistirmos, isso acontecerá. É por isso que Deus nos chamou para ser a igreja: porque podemos ser a luz que brilha nas trevas e as trevas jamais a apagará.


Rev. Mandy Sloan McDow é natural de Knoxville, TN, servindo na Primeira Igreja Metodista Unida de Los Angeles. Mandy é faixa preta em Taekwondo, faz música sempre que possível e assiste muito beisebol com seus três filhos. Encontre mais de seu trabalho no Reverend Mama.

Disponible en españolAvailable in English