Other Manual Translations: English français español

Silêncio é violência

Acordei no dia 26 de maio, e vi o vídeo do assassinato de George Floyd. Outros nomes vieram ao meu cérebro: Eric Garner, Michael Brown, Sandra Bland, Tamir Rice, Alton Sterling, Breonna Taylor, Trayvon Martin, Renisha McBride, Philando Castille, Freddie Gray, Ahmaud Arbery, e muitos mais.

Eu pensei em um milhão de razões pelas quais eu não deveria ir ao protesto. Essas razões deixaram claro que meu privilégio era meu escudo. Não somos chamados para confortar, mas para  transformar.

Então, em 31 de maio, coloquei meu colarinho clérical (foto acima), uma máscara, e fui para o centro de Baton Rouge. Vim preparada em caso de gás lacrimogêneo, pronto com meu guia de protesto da ACLU, eu "compartilhei a minha localização" com meu marido e me propus a estar presente como uma pessoa clérica em um lugar de dor e aspiração.

Uma perspectiva única

Minha perspectiva é incomum. Minhas irmãs e eu não nos parecemos. Nossos tons diferentes de pele e cores de cabelo despertaram dentro de mim uma compreensão mais completa de quão privilegiada sou.

Minha irmã mais velha é loira. Eu sou morena. A cor do cabelo da nossa irmã mais nova muda com as suas tranças. Ela foi adotada da República Democrática do Congo, e sua experiência não é como a minha, mesmo compartilhando a mesma família, educação e amor por programas de TV ruim. Isso nunca foi mais claro para mim do que quando nossa mãe me contou essa história.

Minha irmã e seus amigos foram jantar em um restaurante. Era o tipo de restaurante onde você paga no balcão depois de terminar sua refeição, ou pelo menos costumava ser. Quando minha irmã mais nova e seus amigos se levantaram para sair e pagar a refeição sem saber que o sistema tinha mudado, os trabalhadores do balcão a informaram que eles deveriam pagar ao seu servidor.

Quando eles voltaram para seus assentos, uma mulher branca mais velha disse: "Aposto que você pensou que ia escapar!" enquanto abanava o dedo para este grupo de jovens negras.

Tentei imaginar o que eu faria se estivesse lá. Eu chamaria aquilo de racismo? Eu balançaria a cabeça e apreçaria minha irmã e seus amigos pra sair de lá? Eu tentaria explicar à mulher que foi simplesmente um mal-entendido? Eu congelaria?

Toda vez que vejo no noticiário que um Negro foi morto pela polícia no processo de prisão ou sob custódia, meu primeiro pensamento vai a minha irmãzinha. O que aconteceria se ela fosse parada? Será que eles acreditariam que ela estava no bairro dela? Eles saberiam que ela é uma filha, uma irmã, uma amiga, uma tia, uma filha de Deus? Eles saberiam que ela tem um senso de humor particularmente seco e faz os melhores biscoitos de chocolate? Eles a veriam como um ser humano? Ou eles dariam uma olhada na pele dela e veriam uma ameaça? Será que confundiriam sua natureza e fala mansa com desrespeito?

Silêncio é violência

At the rally, I saw signs. “Momma!” - George Floyd. “I can’t breathe!” - Eric Garner & George Floyd. But the sign that convicted me most said, “White Silence is Violence!"

Silêncio é violência. Não podemos mais ficar em silêncio. Não podemos nos preocupar mais em ofender pessoas nem de  pensar nas pessoas de cor sendo mortas pela polícia. Não podemos simplesmente condenar o racismo, precisamos ser anti-racistas.

Meu compromisso com a igualdade racial não vem da vergonha ou culpa, mas de um profundo amor entre irmãos, e um profundo amor por Cristo. Cristo nos chama para fora do nosso próprio quebrantamento para que possamos servir os outros através do amor a Deus e ao próximo. Esse amor profundo me faz examinar meus próprios comportamentos e ações. Esse amor profundo me deu a oportunidade de ver meu privilégio, e me chamar para sair de um estado de apatia.

O que podemos fazer pela igualdade racial?

Talvez nosso primeiro passo seja proclamar a injustiça feita contra os nossos irmãos e irmãs de cor, reconhecer que o que está acontecendo não é bom devemos usar as plataformas para falar contra o pecado do racismo. Precisamos tirar a trava do nosso próprio olho para que possamos ajudar os outros com a trava em seus próprios olhos.

Há uma grande relutância de muitos pastores em falar sobre temas tão desafiadores no púlpito. Essa relutância, esse silêncio, é violência. Como pastores, somos chamados a ser vozes proféticas, para sermos como Elias, Oséias e Isaías chamando o povo para reexaminar a aliança que fizeram com Deus. Não é fácil chamar ou confortável, mas, novamente, Elias ficou tão enfadado com pessoas para quem foi chamado a pregar, que vagou para o deserto para morrer. Jonas fez beicinho debaixo de um arbusto. Este impulso para a justiça social não é sob repreensão ou vergonha. O chamado à justiça social vem de nossos votos de batismo. "Resistir ao mal, à injustiça e à opressão em todas as formas que eles se apresentam."

Ser um aliado talvez é o chamado moderno do discipulado. Para ser um aliado, devemos saber quem esperamos apoiar e encorajar. Devemos amá-los, ouvi-los, ter suas experiências como válidas, e aceitar que podemos ser parte do problema.  Nós, como pastores brancos, precisamos educar a nós mesmos e às nossas congregações sobre racismo e como ser anti-racistas. Há muitas listas de livros para ler, recursos para investigar e formas de se engajar no diálogo produtivo. Mas talvez nosso primeiro passo seja condenar a injustiça feita aos nossos irmãos e irmãs de cor, para reconhecer que o que está acontecendo não é bom. O primeiro passo é usar as plataformas (e púlpitos) que temos que chamar de pecado do racismo. Precisamos estar dispostos a tirar a trave do nosso próprio olho para que possamos ajudar os outros com a trave de seus próprios olhos. Ser um aliado é talvez o chamado moderno do discipulado. Para ser um aliado, devemos saber quem esperamos apoiar e encorajar. Para conhecer alguém, devemos amá-lo, ouvi-lo, ouvir suas experiências como válidas, e aceitar que podemos ser parte do problema. Este é o trabalho diante de nós como igreja, para realmente ouvir em vez de debater.

Não podemos continuar  colocando o fardo nas pessoas de cor. Não é trabalho dos oprimidos ensinar o opressor. Não é fácil, mas a transformação nunca é.  O amor não é daltônico. O amor é ver cada povo exatamente como eles são. O amor está celebrando a vasta diversidade da espécie humana e lembre-se que cada um é feito à imagem de Deus.

Vamos aceitar que é desconfortável falar sobre isso, mas vamos falar sobre isso de qualquer maneira.

Para mais ideias sobre o envolvimento nas conversas difíceis e nesse trabalho, confira esses recursos sobre justiça racial.


Rev. Ali Young serve como um dos pastores da Universidade UMC em Baton Rouge, LA. A Revda. Young está comprometida a ajudar a igreja a continuar aprender e crescer na busca da justiça social. Ela e o seu marido, Wesley, têm 3 filhos.