Other Manual Translations: English français español

Reflexões sobre Afro-Latinidade

Andrés DeArco reflete sobre Afro-Latinidade
Andrés DeArco reflete sobre Afro-Latinidade

Eu aceitei o fato de que ser Negro e Latino não pode coexistir igualmente na minha vida, um tem que vir antes do outro. Antes do assassinato de George Floyd, minha auto-identidade estava fortemente enraizada no entendimento de que minha Negritude era a âncora da minha latinidade, mas de alguma forma eu poderia unir esses dois termos em algo maleável para as pessoas me entenderem; quando na verdade não havia muito o que entender. Assim que saio, sou um negro em um mundo cheio de sistemas especificamente projetados para perpetuar e permitir o trabalho da supremacia branca.

Como é a experiência Afro-Latinidade na América?

Andres DeArco says, "My Blackness is a truth that simply cannot be separated from my Latinidad, yet at the same time, my Latinx community refuses to fully address its existence."

Esta foi a mudança de mentalidade que fez toda a diferença para mim. Assim que vi esta sociedade não como um sistema quebrado, mas como um sistema que está funcionando exatamente do jeito que foi designado a funcionar, comecei de segurar   a minha preciosa identidade latina com tanta força, e passei a abraçar a minha Negritude de frente. Isso não era, no entanto, uma questão de escolha. Ser Negro nos EUA é viver em um sistema que faz questão de lembrá-lo todos os dias do que pode ser infligido em seu corpo sem consequências.

E é isso que mais me atormenta quando vejo a vida de George Floyd sendo tirada. Além das imagens horríveis na tela, ele faz parte de um projeto maior, feito de histórias invisíveis e inéditas, de pessoas vivendo suas vidas, sagradas em seu valor, mas dispensáveis aos olhos da sociedade.  Eu entendi que para cada George Floyd há centenas mais que permanecem sem nome, sem protesto, sem justiça. Como o ser latino pode remediar essa realidade? Como posso me apegar igualmente a uma identidade que não luta por mim, que tantas vezes permanece em silêncio em vista a minha brutalização?

Isso é especialmente importante considerando que alguns desses assassinatos injustos vieram às mãos de policiais Latinos ou "Marrons", (Trayvon MartinPhilando Castile, prisão de Sandra Bland, etc). Sem ironia, nossos próprios países latino-americanos tem uma quantidade desproporcional de violência de Estado anti-Negra dirigida a seus cidadãos negros. Não posso procurar refúgio no meu país natal, Colômbia.

Protest for Black Lives Matter following killing of George Floyd

Minha Negritude é simplesmente uma verdade que não pode ser separada da minha latinidade, mas, ao mesmo tempo, minha comunidade Latinx se recusa a abordar plenamente sua existência. É por essa razão que a afirmação Black Lives Matter (Vidas Negras Importam) torna-se tão significativa. Através da diáspora, vidas Negras compartilham uma história fraturada que nos deixou em países incapazes de nos amar como os amamos. É uma relação desequilibrada que nos deixa sem nenhum sentido real de casa, mas dentro um do outro.

Qual é a nossa resposta às relações raciais desequilibrada?

Apesar disso, eu acredito que Deus nos chama para desmantelar este sistema. Como seguidores de Cristo, não temos outra opção a não ser lutar contra a supremacia branca. Mas o que isso parece? Acredito que antes de chegarmos a um lugar de reconciliação racial neste país, devemos primeiro ser capazes de autocrítica a um ponto onde possamos reconhecer abertamente nossos preconceitos e racismo.No entanto, isso não pode ser chamado de justiça. Reconhecer nosso próprio preconceito é apenas o primeiro de muitos passos para a reconciliação. Vemos as deficiências disso no exemplo recente de Amy Cooper, que estava consciente de sua posição como uma mulher branca para ser capaz de armar sua brancura contra um homem negro com quem ela estava em desacordo. Sua consciência racial naquele momento a levou a utilizar seu privilégio como arma, sabendo que na chegada de policiais as chances seriam a seu favor e suas falsas declarações teriam mais peso do que o relato do homem acusado. Se não fosse pela evidência de vídeo, poderia muito bem ser o caso de que Amy Cooper hoje estaria segurando uma bandeira Black Lives Matter em aparente solidariedade com o movimento. Tal ação contraditória não seria uma anomalia no ambiente atual de divulgação de temas de justiça social em tendência; e é a razão pela qual simplesmente reconhecer o preconceito é falho.

Como o Dr. Martin Luther King Jr declarou "os maiores obstáculos dos Negros para alcançar a  liberdade não é o Conselheiro dos Cidadãos Brancos ou o Ku Klux Klan, mas o branco moderado que é mais dedicado à ordem do que à justiça; que prefere uma paz negativa que é a ausência de tensão a uma paz positiva que é a presença da justiça." É para isso que nós, como sociedade, devemos olhar pra frente. Paz positiva no lugar de reconhecimentos míopes do racismo. Acredito que é um trabalho que não veremos plenamente realizado nas nossas gerações, mas em que todos somos chamados a participar.


Andres DeArco reflects on Afro LatinidadAndres De Arco é um Afro-Colombiano orgulhoso que é apaixonado por buscar plataformas criativas educacionais e empreendedoras para comunidades Negras e Pardas dentro e fora dos EUA, Andres atualmente atua como Diretor Assistente Nacional da Academia de Liderança Juvenil Metodista Unida (HYLA) e está fazendo Mestrado na Harvard Divinity School. Ele é membro da Esperanza Viva UMC na Conferência de Ohio Ocidental.