POR QUE A RELIGIÃO É TÃO COMPLICADA?

Por Rev. Mandy McDow

A Páscoa está se aproximando, que é a celebração do acontecimento mais misterioso em nossa tradição de fé. O cristianismo é baseado na noção radical de que Deus escolheria entrar no mundo. Essa escolha de viver, como vivemos, significa aceitar as consequências da vida e da morte.Jesus morreu, assim como nós morreremos. Mas nós acreditamos que Jesus ressuscitou três dias depois.

Available in English Disponible en español

Os cristãos acreditam nisso por causa dos relatos de cada uma das histórias sobre a vida de Jesus, que dizem a mesma coisa sobre sua vida, morte e ressurreição. Já que nossa fé depende de algo que parece impossível - que a morte não tem a última palavra - abrimos espaço para muitas perguntas sobre como e por que podemos acreditar nisso.

POR QUE A RELIGIÃO É TÃO COMPLICADA?

Nós acreditamos em mistério. Como pastora, posso dizer confortavelmente que não entendo como Deus gerenciou a ressurreição. Posso apontar as escrituras, ler relatos em primeira mão e confiar em minhas próprias experiências com o divino o suficiente para acreditar em algo. Mas, o problema de entender as especificidades dos mistérios do mundo é que nos falta o conhecimento para fazê-lo.

Isso nos leva a um monte de problemas, quando discutimos e lutamos uns com os outros e com membros de outras tradições religiosas. Cada um de nós se apega ao que acreditamos por boas razões: nós aprendemos essas coisas com nossas famílias e comunidades, nos engajamos nas práticas de nossa fé, organizamos nossas vidas em torno dos costumes e tradições que aprendemos, e passamos aos nossos próprios filhos.

A quinta-feira antes da Páscoa é "Quinta-feira Santa". Quinta-feira Santa recebe seu nome do latim "mandatum", que significa mandamento. Na noite em que Jesus foi traído por seus amigos, ele jantou com eles. No final do jantar, ele pegou o pão e o vinho e fez uma oração incomum. Primeiramente, deu graças a Deus. Então, ele disse: "Novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; assim como eu vos amei, que também vos ameis uns aos outros." (João 13:34)

Jesus disse isso, sabendo que o amor dos discípulos era falho e imperfeito.

Jesus disse isso, sabendo que um o trairia e um o negaria.

Jesus disse isso, sabendo que seria fácil para os discípulos se voltarem uns contra os outros, procurando culpa para os eventos que estavam prestes a acontecer, o que levaria à sua morte.

Jesus não somente instituiu um novo mandamento de amar uns aos outros, ele fez isso num momento crucial.

É curioso para mim como é difícil para nós cumprir este mandamento. É possível que a maneira mais grave de desobedecer a esse simples mandamento seja usá-lo como uma forma de ferir e prejudicar os outros.

Desde o princípio da humanidade, procuramos respostas para o desconhecido. Escrevemos histórias da criação, compartilhamos a mitologia incorporada nos cosmos e investigamos o mundo natural ao nosso redor.

O QUE É RELIGIÃO?

Religião é a ideia de que existe uma presença divina ativamente trabalhando no mundo, guiando e cuidando de nós de maneiras que não podemos compreender plenamente.

Nossa fé é misteriosa. A fé, afinal de contas, é acreditar naquilo que não podemos ver e na certeza daquilo que não podemos provar.

O coração de toda crença religiosa é a aspiração a algum tipo de amor perfeito. Amor pelo Divino, amor um pelo outro.

A essência de nosso ser é amor. Todos nós desejamos amar e ser amado. Queremos essa proximidade, a certeza de que existe um Deus, a certeza de que somos amáveis ​​e até mesmo algumas manifestações reais de amor em nossas famílias de origem e em nossas famílias de escolha. Queremos saber que somos o suficiente.

O que nos impede de viver assim é a dúvida de que não somos amados.

Nossa desconfiança em Deus e nos outros, de que eles podem nos amar como somos capazes de amar é o que cria discórdia no mundo. É o que nos coloca uns contra os outros, enquanto discutimos sobre quem está certo e quem está errado.

Por mais que queiramos ter fé que Deus nos ama, há uma voz incômoda em nossas mentes - a força espiritual da maldade - que nos diz que nunca seremos suficientes. É isso que nos faz julgar os outros em suas imperfeições. É o que nos convence de que precisamos enfraquecer outras pessoas para nos fortalecer.

Isso não é amor falando. É o medo.

Em toda a Bíblia Deus promete nos amar incondicionalmente.

O novo mandamento de Jesus era amar. Jesus disse: "amem uns aos outros", ele não disse, "condenem uns aos outros".

Talvez a melhor coisa que podemos fazer é aprender como amar uns aos outros e confiar que Deus julgará nossos corações, mentes e intenções.

 A religião é um esforço simples. Nós a tornamos complexa porque temos mais perguntas do que respostas. A fé nos pede para acreditar no que não se pode provar, mas o amor nos oferece uma maneira de viver nossa fé de que somos suficientes, o mesmo que todos os outros.

Quem sabe essa Páscoa seja um tempo para nos lembrar que o amor é o nosso jeito de nos manter  fiéis. O mundo nos ensinará que o ódio é poderoso, mas o amor é o modo mais subversivo de derrotá-lo.


 Rev. Mandy Sloan McDow é natural de Knoxville, TN, servindo na Primeira Igreja Metodista Unida de Los Angeles. Mandy é faixa preta em Taekwondo, faz música sempre que possível e assiste muito beisebol com seus três filhos. Encontre mais de seu trabalho no Reverend Mama.

Available in English Disponible en español