PERGUNTAS E DEUS

Esta é a confissão de um sabichão fracassado.

Eu nunca fui tão inteligente ou sábio como eu era no dia anterior à minha formatura no ensino médio. Naquele dia, eu sabia tudo o que eu precisava saber. Eu sabia como o mundo funcionava. Eu sabia como ganhar amigos e influenciar pessoas. Eu sabia os segredos do contentamento e da felicidade. Eu sabia o que era melhor para mim. Eu sabia… eu sabia… eu sabia…

Available in English Disponible en español

Então a formatura aconteceu. Tenho certeza de que houve palavras inspiradoras na minha cerimônia de formatura. Os oradores provavelmente ofereceram ótimos conselhos. Mas eu não escutei. Eu não precisava ouvir: eu sabia. E isso, amigos, foi o começo do declínio. Isso iniciou o longo declínio em espiral na ignorância e ingenuidade. No momento em que decidi que atingira o ápice do conhecimento, foi o momento em que lancei minha vida em uma trajetória de nunca ter a certeza de saber alguma coisa de novo.

O momento em que eu fechei minha mente para admitir que eu não sabia foi o momento que eu garanti que eu nunca faria.

Anos depois, tornei-me pastor de adolescentes. Que melhor ocupação poderia haver para um sabichão? Poucos temas são tão difíceis de debater que a teologia. E poucas pessoas são tão difíceis de educar do que os adolescentes. Não tem nada mais atraente que temas difíceis e um grupo difícil para um sabichão. Afinal, quem mais poderia trazer profundo significado e compreensão para suas vidas vazias e ignorantes? O pastoreio de adolescentes prometia ser um grande campo de provas para o meu conhecimento. Era um chamado que eu não poderia deixar passar.
 

Eu me lembro de um dos meus primeiros eventos para adolescentes. Eu tinha acabado de pregar o melhor sermão de todos os tempos. Foi realmente bom. Eu tinha certeza de que ninguém nunca tinha demonstrado tanto conhecimento. Era provável que Jesus estivesse sentado à direita de Deus Pai, Todo-Poderoso, tomando notas enquanto eu falava. Quando concluí, o lugar estava em silêncio. Eu tinha certeza de que havia sobrecarregado as sinapses dos cérebros ainda em desenvolvimento da minha audiência. Eu queria ajudar os alunos a processar o que eles ouviram e eu queria fornecer-lhes mais acesso ao meu conhecimento, então perguntei se alguém tinha perguntas.

Claro que eles tinham. Uma mão imediatamente subiu. Uma voz rompeu o silêncio: "Se Deus pode fazer alguma coisa, então Deus pode fazer um burrito tão apimentado que nem mesmo Deus pode comê-lo?"

Em momentos sem clareza, pode-se implicar o conhecimento respondendo a perguntas com perguntas.

Tente. Isso faz com que alguém pareça muito inteligente.

Funciona muito bem em conversas espirituais, porque é uma coisa que Jesus fazia muito. (Embora, Jesus provavelmente estivesse fazendo perguntas não porque Ele não sabia, mas porque queria que os outros entendessem - o que raramente é o caso de um sabichão.) Nesse caso, não consegui pensar em nada. O uso cuidadoso que esse aluno fez da linguagem neutra de gênero até mesmo me impediu de dizer algo como: "Poderia Deus ser tanto um 'ele' quanto uma 'ela' ou nenhum dos dois?"

 Minha resposta foi: "Sim… e não. Alguma outra pergunta? "Realmente não respondi coisa alguma.

A verdadeira resposta foi "eu não sei". 

Nos dias seguintes, descobri que a capacidade de Deus criar burritos é um assunto difícil de se pesquisar e discutir. "Burrito" não aparece em uma concordância bíblica. Não há testemunho bíblico da preferência de Deus por burritos. Eu ainda não sei se Deus pode fazer um burrito tão apimentado que nem Deus pode comê-lo.

Eu sou ignorante, eu admito. O meu eu de 18 anos de idade ficaria tão decepcionado. Eu fiquei mais burro a medida que fiquei mais velho. Como Bob Dylan cantou em "My Back Pages": "Então eu era muito mais velho. Agora eu sou mais novo do que antes.

A fé requer uma certa quantidade de não saber. Quando se trata da vida, Espírito e Deus, nós nunca saberemos de tudo.

E para alguns, isso pode ser um problema. Há um sabichão que habita dentro de cada um de nós, como um pássaro esperando para romper as barras de nossas costelas e cantar nosso glorioso conhecimento. Nós adoraríamos ter todas as respostas. Adoraríamos que os outros soubessem. Nós queremos parecer no controle. Então, quando a fé sugere que nem tudo pode ser raciocinado ou conhecido, nos sentimos desconfortáveis.

Talvez haja uma maneira de racionalizar a questão do burrito. Eu tenho certeza que tem (viram o que eu acabei de fazer ?!). Neste momento, é irrelevante para mim, pois o sabichão desceu do seu pedestal. Neste momento, estou bem em ter algumas perguntas. Eu estou bem em não saber tudo o que há para saber… e eu adoro a ideia de tentar descobrir.

Jesus disse que o reino dos céus pertence àqueles que são como crianças (Mateus 19:14). Geralmente, as crianças fazem perguntas sem medo de parecer ignorantes ou "não estarem no controle". Há uma sabedoria em fazer perguntas. Há uma sabedoria em admitir que não sabemos tudo. Talvez isso seja parte do que Jesus está insinuando.

 Então, que possamos ser "mais jovens que agora". Que possamos adotar uma abertura para fazer perguntas e ouvir um ao outro. Estamos passando um tempo mergulhando em perguntas e te convido para irmos juntos nessa jornada. Considere algumas perguntas inspiradoras das mentes de crianças e comece a fazer algumas perguntas você mesmo.

O que você perguntaria a Deus?

Vá em frente e pergunte, há sabedoria na pergunta - e você não vai ferir os sentimentos de Deus fazendo as perguntas difíceis, isso eu sei.

Vamos compartilhar algumas perguntas. Siga a Repense a Igreja (Rethink Church) no Twitter, Facebook e Instagram.


Ryan Dunn não sabe tudo. Ele sabe algumas coisas sobre o time de beisebol Chicago Cubs, Guerra nas Estrelas e Cristianismo - em parte devido a algum treinamento acadêmico e vários anos servindo como pastor de adolescentes em igrejas Metodistas Unidas. Atualmente, ele está aprendendo mais sobre ser pai, marido e ministro do movimento (Rethink Church).


Available in English Disponible en español