Translate Page

Inspirada por MLK para fazer a diferença através do amor: Clara Ester

A Diaconisa Metodista Unida Clara Ester serve como vice-presidente nacional das Mulheres Metodistas Unidas. Foto de arquivo de Mike DuBose, United Methodist Communications.
A Diaconisa Metodista Unida Clara Ester serve como vice-presidente nacional das Mulheres Metodistas Unidas. Foto de arquivo de Mike DuBose, United Methodist Communications.

“Há muitos, muitos, muitos anos atrás, percebi que somente através do amor podemos fazer a diferença”, compartilha a Diaconisa Metodista Unida Clara Ester. "Na verdade, podemos mudar as coisas se amarmos."

Ester aprendeu essa importante lição com o Revdo. Dr. Martin Luther King Jr., líder do movimento pelos direitos civis nos Estados Unidos.

"O amor exige muito esforço e trabalho", continua Ester, "mas é assim que Deus quer que sigamos, e essa foi a vida que o Dr. King levou."

Amor, justiça, não-violência

"Sendo clérigo, ele sabia a importância do amor", diz Ester sobre King, "e queria lidar com as principais questões e preocupações pelas quais as pessoas estavam passando de maneira justa. Mas ele o fez por meio do amor e da não-violência. Essa era a vida dele."

In 1968, civil rights leader the Rev. James Lawson was Clara Ester’s pastor. File photo by Mike DuBose, United Methodist Communications.  

Em 1968, o líder dos direitos civis, o Revdo. James Lawson, era o pastor de Clara Ester. Foto de arquivo de Mike DuBose, United Methodist Communications.

Crescendo na Centenary Methodist Episcopal Church em Memphis, Tennessee, então pastoreada pelo líder dos direitos civis, o Revdo. James Lawson, Ester viu uma conexão entre King e sua fé.

"Ele levou a vida e defendeu coisas como Jesus fez quando estava na terra", explica ela. "As pessoas marginalizadas eram as pessoas com quem Jesus andava. As pessoas que não eram suas pessoas favoritas eram aquelas com quem você encontrou Jesus ... O Dr. King se levantou e falou pelas mesmas pessoas marginalizadas. Ele tentou mudar as estruturas que tornariam esse mundo melhor."

O amor leva tempo

Ester nem sempre viu as coisas dessa forma. “Eu tinha muito ódio dentro de mim quando via como as pessoas podiam ser tratadas”, confessa Ester. O amor e a não-violência pareciam uma maneira lenta de afetar a mudança.

"Eu era uma júnior na faculdade", lembra ela. "Ouvi os dois lados... mas sendo jovem, 19 ou 20 anos, queria que tudo acabasse o mais rápido possível."

Na noite de 4 de abril de 1968, as coisas mudaram. Ester tinha acabado de chegar ao Lorraine Motel quando King saiu de seu quarto e começou a conversar com as pessoas no estacionamento. Um tiro soou. O assassinato de King foi um ponto de virada para Ester.

"Testemunhar sua morte. Vê-lo naquela varanda. Ouvi-lo na noite anterior falar sobre: 'Talvez eu não chegue lá com você, mas nós, como povo, chegaremos à Terra Prometida.' Reconhecendo cada vez mais sobre seu compromisso com o processo não violento. Havia algo sobre estar sobre seu corpo que dizia: 'Você precisa mudar seu ódio. Você precisa amar.'"

Ester witnessed King’s assassination outside the Lorraine Motel, April 4, 1968. Photo by Chris Light via Wikimedia Commons.

Ester testemunhou o assassinato de King do lado de fora do Lorraine Motel, 4 de Abril de 1968. Foto de Chris Light via Wikimedia Commons.

Uma responsabilidade designada por Deus para estender a mão

Refletindo sobre o chamado para amar o próximo, Ester faz referência à parábola de Jesus sobre o bom samaritano, na qual um homem é assaltado e deixado à beira da estrada (Lucas 10:25-37). Dois líderes religiosos se aproximam, os quais  os primeiros ouvintes de Jesus esperavam que fossem as pessoas a fazer algo, mas cada um deles atravessa a rua para evitar o homem ferido. A terceira pessoa que vem pela estrada é um samaritano.

Esta não é a pessoa que alguém esperaria ajudar. O evangelho de João nos diz: "Judeus e samaritanos não se associavam" (João 4:9). No entanto, na história de Jesus, o samaritano faz de tudo para cuidar desse estranho.

Depois de concluir a parábola, Jesus diz aos protagonistas da história: "Vá e faça o mesmo". Naquele dia, na varanda, Ester ouviu o mesmo chamado.

"Testemunhar sua morte me fez reconhecer que eu tinha a responsabilidade de nunca passar por cima de ninguém, ou andar do outro lado da estrada. Se houvesse pessoas que eu conhecesse no caminho que estava seguindo, eu tinha um Deus - responsabilidade atribuída para estender a mão e tentar ajudar a tornar seu mundo melhor."

"É onde todos nós deveríamos estar", ela continua, "Se todos fizéssemos isso por amor e compaixão, estaríamos vivendo em uma sociedade maior do que a que vivemos hoje."

Through his life and ministry, Martin Luther King Jr. taught Ester and many others about love, justice and nonviolence. Photo via the U.S. National Archives.  

Através de sua vida e ministério, Martin Luther King Jr. ensinou Ester e muitos outros sobre amor, justiça e não-violência. Foto via Arquivos Nacionais dos EUA.

Uma vida de serviço

Imediatamente após o assassinato de King, Ester deixou a faculdade. Ela foi para Marks, Mississippi, para trabalhar na segunda Campanha dos Pobres, uma marcha do Mississippi a Washington, DC planejada por King. Marks foi escolhida por ser considerada "a cidade mais pobre do condado, mais pobre do estado, mais pobre do país" (Mississippi Stories).

Mais tarde, Ester voltaria a estudar e terminaria o curso. Ela serviu como diaconisa na Igreja Metodista Unida, trabalhando para pessoas necessitadas ao longo de sua carreira. Em 2006, ela se aposentou como diretora executiva do Dumas Wesley Community Center, uma instituição missionária em Mobile, Alabama, apoiada pelas Mulheres Metodistas Unidas.

Aquele dia no Lorraine Motel moldou seu ministério. "Este homem estava disposto a amar até o momento em que uma bala tirou sua vida. Ele estava disposto a trabalhar, se levantar e lutar de forma não violenta", ensina ela. "Foi o mínimo que pude fazer."

"Depois disso", diz ela, "foi estritamente nada além de: 'O que posso fazer para ajudar outra pessoa? O que posso fazer para tornar a vida melhor? O que posso fazer ou o que posso dar para mudar a narrativa do que está levando lugar na vida desta pessoa hoje?' Foi um ponto de virada em minha vida pessoal para refletir sobre a direção que eu poderia ter seguido e a direção que eu precisava seguir”.

Joe Iovino trabalha para UMC.org na United Methodist Communications. Entre em contato com ele por mail.

Esta história foi publicada em 20 de Janeiro de 2019.